1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cuba: Airbnb é autorizado a ampliar operação; Marriott busca parceiros

- Atualizado: 20 Março 2016 | 19h 28

Aplicativo de compartilhamento e aluguel de quartos foi a primeira empresa a entrar em Cuba após acordo de distensão em 2014, mas ainda não podia deixar viajantes dos EUA utilizarem o serviço na ilha

O serviço online de reserva de hospedagem Airbnb permitirá que viajantes de todo o mundo reservem espaço em domicílios de moradores de Cuba depois que a empresa com sede em San Francisco recebeu uma autorização especial do governo Obama, disse o Airbnb neste domingo.

Página inicial do aplicativo de aluguel de hospedagem
Página inicial do aplicativo de aluguel de hospedagem

O Airbnb foi a primeira grande empresa norte-americana a entrar em Cuba depois que os presidentes Barack Obama e Raúl Castro declararam a distensão em 17 de dezembro de 2014. Cuba tornou-se o mercado de mais rápido crescimento do serviço, com cerca de 4 mil casas adicionadas ao longo do último ano. Mas, até agora, o Airbnb só tinha sido autorizado a deixar viajantes dos EUA utilizarem os seus serviços em Cuba sob uma exceção relativamente limitada ao embargo contra o país concedida pela administração Obama. O Airbnb disse que viajantes pelo mundo poderiam começar a reservar hospedagem em Cuba em 2 de abril, aniversário do início das operações na ilha.

A autorização do Airbnb foi anunciada um dia depois de a rede Starwood Hotels anunciar a assinatura de um acordo para gerenciar três hotéis cubanos, tornando-se a primeira companhia hoteleira dos EUA em Cuba desde que Fidel Castro tomou o poder em 1959 e o governo assumiu os hotéis da ilha.

Também neste domingo, a rede Marriott International anunciou que recebeu autorização do Departamento do Tesouro dos EUA para buscar um acordo em Cuba. A empresa de hotéis disse que está em negociações com potenciais parceiros da ilha. O CEO da Marriott, Arne Sorenson, está em Cuba com a delegação de Obama.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX