Cúpula da FAO sobre a fome ficou para 2002

A cúpula mundial sobre a fome no mundo organizada pela FAO será realizada em Roma entre 10 e 13 de junho de 2002, informou nesta quarta-feira a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação. A FAO, que tem sua sede na capital italiana, explicou que a nova data foi acertada pelos 49 países-membros do Conselho da entidade em razão dos ataques de 11 de setembro nos EUA. A reunião mundial, cinco anos após a conferência anterior, deveria ter sido realizada na Itália entre 5 e 9 de novembro deste ano e dela iriam participar 189 chefes de Estado e de governo de todo o mundo. Mas o próprio diretor da FAO, Jacques Diouf, anunciou durante a Jornada Mundial de Alimentação, em 16 de outubro, que "lamentavelmente, as atuais circunstâncias internacionais e a perda de tantas vidas inocentes (nos atentados de 11 de setembro nos EUA) nos obrigaram a adiar o encontro". "A cúpula mundial?, diz a nota divulgada nesta quarta-feira, "havia sido solicitada pelo Conselho da FAO no ano passado, quando ficou claro que o objetivo original da cúpula - ou seja, a redução pela metade do número de subalimentados até 2015, o mais tardar - não poderia ser alcançado sem novos e maiores esforços". "À luz dos recentes acontecimentos mundiais, em particular a guerra no Afeganistão e a deterioração do contexto econômico", diz a nota, "a FAO considera que a situação de fome no mundo pode piorar ainda mais". E explica: "A cúpula é vista como uma oportunidade para obter dos chefes de Estado e de governo um maior compromisso para acelerar com renovada vontade o objetivo de reduzir a fome no mundo". A pedido do governo italiano chefiado pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi, a cúpula havia sido transferida de Roma para Rimini, no litoral do Mar Adriático, por temor de que se repetissem desordens similares às ocorridas durante a reunião do G8 do final de julho em Gênova, que acabou com a morte de um manifestante. Frente ao temor de que uma "cidade sagrada" como a capital italiana pudesse ser destruída por manifestantes violentos, Berlusconi havia pedido às autoridades da FAO e a Diouf, seu diretor, que a cúpula fosse realizada em outra cidade. A sugestão foi aceita pela FAO na ocasião. Mas, em seguida, os acontecimentos terroristas nos EUA levaram ao adiamento do encontro. No Dia Mundial da Alimentação, Diouf destacou que "800 milhões de pessoas passam fome no mundo, e em 2015 esperamos que seja a metade (desse número)". O diretor da FAO falou também da globalização e deu razão aos que protestam pacificamente contra as injustiças da mundialização. "É justo em teoria definir a globalização como uma oportunidade, mas na realidade o sistema é profundamente injusto", afirmou. Leia o especial

Agencia Estado,

31 Outubro 2001 | 22h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.