Assine o Estadão
assine

Internacional

Argentina

'Dançamos tango, não salsa', diz bailarina para defender Obama

Presidente americano havia sido criticado por dançar ao invés de combater o Estado Islâmico um dia depois dos ataques na Bélgica

0

Rodrigo cavalheiro, correspondente / Buenos Aires,
O Estado de S. Paulo

25 Março 2016 | 06h00

BUENOS AIRES - Por seus passos de tango na noite de quarta-feira 23, um dia depois do atentado na Bélgica, Barack Obama foi alvo não só de meios de comunicação que costumam atacá-lo nos EUA, como o canal Fox. Na CNN, os 44 segundos nos braços da dançarina Mora Godoy foram considerados a síntese de sua “inação” no combate ao grupo radical Estado Islâmico. Parte da imprensa europeia também o criticou por continuar sua viagem após passar por Cuba.

Na Argentina, Mora saiu em sua defesa do parceiro de dança que a deixou mais famosa. Argumentou que o tango tem uma sobriedade que outros estilos não têm. “O fato de termos dançado tango não quer dizer que ele não se preocupe com terrorismo. O tango é uma dança melancólica. Não é que saímos dançando salsa ou rumba”, disse ao Estado.

Mora diz que o convite foi espontâneo e Obama aceitou estimulado pelo presidente argentino, Mauricio Macri. Ela garante que não temeu a fama de ciumenta da primeira-dama americana, Michelle Obama. "Eu senti que ela tinha gostado da apresentação. No final, nos cumprimentamos". Mora contou que era conhecida por ter ensinado a dança aos Rolling Stones. "Agora mudou meu carimbo".

Durante sua passagem pela Argentina, Obama abandonou a sisudez várias vezes. Na Casa Rosada, disse que havia tomado mate pela primeira vez e pretendia levar a erva para os EUA, sem saber que tipo regras de importação e exportação estaria infringindo. Elogiado por assessores por sua declaração contra o EI, brincou com a razão de sua clareza. “Acho que foi o mate.”

Obama ainda afirmou que ele e suas filhas gostariam de conhecer Lionel Messi e elogiou o jogador de basquete argentino Emanuel Ginóbili, do San Antonio Spurs. Ontem, ainda sob críticas por não ter antecipado seu regresso a Washington, onde deve chegar hoje, passeou de barco em Bariloche. 

Mais conteúdo sobre:

Comentários