Democratas obtêm votos para reforma da saúde nos EUA

Os democratas conseguiram os 60 votos necessários para avançar com o projeto de reforma do sistema de saúde no Senado dos Estados Unidos. Indecisas até então, as democratas Blanche Lincoln, do Arkansas, e Mary Landriou, da Louisiana, informaram nesta tarde que irão votar "sim" no pleito que decidirá se a legislação será analisada pelo Senado. A votação deve começar por volta das 23 horas de Brasília, 20 horas no horário local.

AE-AP, Agencia Estado

21 Novembro 2009 | 18h43

Ao justificar sua intenção de voto, Lincoln disse ser importante que o Senado comece a debater assunto tão importante. A votação será um teste crucial para o governo e o prestígio de Barack Obama, assim como para a unidade do partido Democrata.

Assegurando 60 votos, o líder da maioria no Senado norte-americano, o democrata Harry Reid, fará com que o debate sobre o projeto comece depois que os legisladores voltarem do recesso do feriado de Ação de Graças, comemorado na próxima quinta-feira. A principal proposta de reforma é estender a cobertura de seguro-saúde aos 30 milhões de americanos que ainda não têm um. Os contrários ao projeto de lei marcaram manifestações hoje em pelo menos quatro grandes cidades, incluindo Los Angeles e Chicago.

Uma derrota na votação de hoje não encerraria definitivamente a proposta de reforma, mas geraria dúvidas a respeito da capacidade dos democratas de se unirem para aprovar questões de seu interesse. Além disso, o debate seria estendido para 2010, quando as eleições para o Congresso dominariam o espectro político, sem deixar espaço para esse tipo de discussão. Uma vitória democrata, por outro lado, dificilmente garantirá que o plano de Obama, sua maior prioridade, seja aprovado sem grandes dificuldades.

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos reforma saúde democratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.