AP Photo/Mark Lennihan
AP Photo/Mark Lennihan

Deputados americanos aprovam corte de impostos; Senado votará nova lei

Se aprovada pelos senadores esta noite, a mais profunda alteração na legislação tributária dos EUA em 30 anos deverá ser sancionada pelo presidente Donald Trump já nesta quarta-feira

O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2017 | 18h33

WASHINGTON - A Câmara dos Deputados americana - controlada pelo Partido Republicano, do presidente Donald Trump - aprovou nesta nesta terça-feira, 19, uma nova lei tributária para os EUA. O projeto, que determina um corte radical nos impostos, seguiu para consideração do Senado.

Se aprovada pelos senadores, que têm prevista a votação para esta noite, a maior mudança na legislação tributária americana em mais de 30 anos poderá ser sancionada por Trump já na quarta-feira.

A Câmara dos Deputados aprovou o corte de impostos por 227 votos a favor e 203 contra, derrotando o Partido Democrata e outros 12 congressistas republicanos que se uniram para tentar barrar a reforma. A aprovação, porém, já era dada como certa.

O plano inclui cortes nos impostos de grandes corporações e abastados contribuintes, assim como isenções temporárias para indivíduos e famílias. A nova legislação revoga parte do sistema de saúde Obamacare e permite a exploração petrolífera no Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Alasca, duas das medidas incluídas no pacote para garantir sua aprovação.

A nova lei prevê que as famílias de classe média experimentarão um corte médio de US$ 900 em seus impostos no ano que vem, enquanto os mais ricos - 1% dos americanos - verão uma diminuição média de US$ 51 mil nas taxas, de acordo com o Tax Policy Center, instituto de pesquisa apartidário de Washington.

Os democratas alegam que a legislação aprofundará a desigualdade de renda entre ricos e pobres nos EUA e, nos próximos 10 anos, deverá acrescentar US$ 1,5 trilhão à crescente dívida americana, atualmente em US$ 20 trilhões. / REUTERS     

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.