Desabamento deixa 15 mortos em Israel

Pelo menos 15 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas na noite desta quinta-feira , quando desabou um prédio de três andares utilizado para uma festa de casamento, informaram policiais e equipes de resgate. De acordo com eles, o desabamento tem características de acidente, não de ataque terrorista. Centenas de feridos foram levados a hospitais locais, enquanto dezenas permaneciam presos nos escombros. Cerca de 700 pessoas dançavam durante um casamento realizado no Buffet Versailles quando o prédio desabou, informou a Rádio Israel. Perguntado sobre a possibilidade de o desabamento ter sido provocado por um ataque terrorista, ele foi firme: "Não. De jeito nenhum!" Segundo ele, o desabamento ocorreu devido a "falhas estruturais". Testemunhas entrevistadas pelas rádios israelenses nada comentaram sobre explosão. Levy disse que 247 vítimas foram levadas a diversos hospitais de Jerusalém, assim como os corpos de muitos mortos. Ele não informou quantos. A imprensa israelense citou policiais ao informar sobre a morte de 15 pessoas, enquanto outras ainda estavam sob os escombros. Levy disse que havia sinais de vida de pessoas presas sob os escombros e os trabalhos de resgate prosseguiam em velocidade acelerada. Tropas de resgate do Exército de Israel que já trabalharam em terremotos no exterior foram enviadas ao local do incidente. As primeiras equipes de resgate chegaram minutos após o desabamento. O bombeiro Haggai Lavie, de 25 anos, disse ser possível que mais corpos estivessem sob enormes blocos de concreto. "Há pessoas presas sob os escombros. As pessoas estão morrendo aqui", disse uma testemunha não identificada à Rádio Israel antes de começar a chorar. O casamento ocorria no último andar do edifício. Segundo relatos, os outros dois andares não estavam sendo utilizados. O térreo servia como estacionamento. As ambulâncias seguiam para o local para socorrer as vítimas e levá-las a hospitais. Muitos dos feridos sangravam muito e alguns pareciam inconscientes. A Rádio Israel informou que uma caravana de ambulâncias seguia para Jerusalém, vindas de outras partes do país. Meir Harel, funcionário do Corpo de Bombeiros, comentou que a cidade não está preparada para enfrentar um tragédia desta proporção. A Rádio Israel divulgava apelos para que médicos e enfermeiros de Jerusalém seguissem para os hospitais nos quais trabalham. Fontes hospitalares disseram que algumas crianças ficaram feridas, inclusive um bebê de três meses. A noiva foi levada ao hospital de Bikur Holim, no centro de Jerusalém, onde um médico disse que aparentemente seus ferimentos não eram graves. O serviço emergencial Magen David Adom divulgou apelos para que as pessoas fossem doar sangue. A polícia pediu aos convidados do casamento que telefonassem, para que fosse possível fazer uma lista dos desaparecidos.

Agencia Estado,

24 Maio 2001 | 21h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.