Dolores Ochoa/AP
Dolores Ochoa/AP

Destruição causada por terremoto prejudica cidade turística do Equador

Segundo moradores, Pedernales era um centro para o turismo e estava prosperando. Agora, a grande maioria dos hotéis e a infraestrutura local foram destruídos

O Estado de S. Paulo

19 Abril 2016 | 09h10

PEDERNALES, EQUADOR - Pedernales, uma tranquila cidade turística com praias sobre o Pacífico, se converteu no marco zero do terremoto de 7,8 graus na escala Richter que abalou o Equador no sábado, deixando ao menos 413 mortos e mais de 2 mil feridos.

Sobre as ruas onde antes havia casas e prédios, incluindo vários hotéis, agora estão toneladas de escombros. "As imagens da destruição em massa parecem a de uma cidade bombardeada", disse Kléber Gallardo, um professor que percorreu as ruas da cidade de 60 mil habitantes no noroeste equatoriano.

"É como em um filme de guerra, as ruas estão devastadas por uma força sobrenatural e apenas alguns prédios se mantêm em pé, como por milagre".

Pedernales prosperou durante os anos 1980 impulsionada pelo boom camaroneiro, um dos principais produtos de exportação do país. Mas no final dos anos 1990 um vírus, conhecido como mancha branca, devastou os cardumes.

A saída da cidade foi optar pelo turismo. A cidade "era um centro turístico que estava prosperando e após o terremoto as pessoas não virão mais (...). A grande maioria dos hotéis está no chão", lamentou Gallardo.

Segundo o vice-presidente equatoriano, Jorge Glas, Pedernales foi uma das cidades "mais afetadas" pelo terremoto de sábado.

Jorge Revelli, proprietário de um hotel na estrada entre Pedernales e Cojimíes, disse que "o alcance de tudo foi devastador, a situação é muito ruim, será preciso erguer toda a indústria novamente".

"Metade dos hotéis está no chão e a infraestrutura acabou. Não há serviços" básicos como luz e água potável, disse Revelli.

Com escavadeiras, tratores, picaretas e pás, os socorristas removem os escombros em busca de sobreviventes e corpos.

O sargento da polícia Oswaldo Morocho, com a ajuda de um cão, trabalha sobre os escombros a procura pessoas vivas sob um prédio de quatro andares que desabou no bairro de Brisas del Pacífico, mas não há sinais de vida. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Equador terremoto destruição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.