Diretor da ONU pede um dia de jejum global contra fome

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Jacques Diouf, pediu às pessoas de todo o mundo que se unam a ele em um dia de jejum. Segundo Diouf, o gesto pretende chamar a atenção para o sofrimento dos desnutridos, que já passam de um bilhão por causa da crise econômica global.

AE-AP, Agencia Estado

11 Novembro 2009 | 15h37

O diretor-geral da FAO disse hoje esperar que isso encoraje ações de líderes globais, que participarão de um encontro de três dias na sede da agência a partir de segunda-feira. Ao apresentar os objetivos do encontro à imprensa, Diouf convocou "um dia global de greve de fome", para mostrar solidariedade aos famintos de todo mundo.

Diouf disse que ele começará o jejum de 24 horas na manhã de sábado. A agência também lançou um abaixoassinado virtual contra a fome. A instituição sediada em Roma já havia anunciado antes que a fome afeta agora um recorde de 1,02 bilhão de pessoas - um em cada seis seres humanos em todo mundo.

A crise financeira, os altos preços dos alimentos, secas e guerras são apontados como culpados pelo problema. Diouf elogiou países como Brasil, Nigéria e Vietnã, que segundo ele têm investido nos pequenos proprietários e nos pobres do campo em geral, revertendo a tendência de fome.

Ele disse que essas nações fazem parte de um grupo de 31 países que estão no caminho certo para cumprir as metas estabelecidas por líderes mundiais há nove anos, de cortar pela metade o número de famintos até 2015. "Erradicar a fome não é um sonho impossível", ressaltou Diouf. "A batalha contra a fome pode ser ganha."

A FAO prevê que a produção global de comida terá que crescer em 70% para alimentar a população mundial em 2050, que deve ser de 9,1 bilhões. Para isso, os países pobres precisarão de US$ 44 bilhões em auxílio anual para a agricultura, ante US$ 7,9 bilhões fornecidos hoje. O dinheiro deve ser usado para sistemas de irrigação, maquinário mais moderno, sementes e fertilizantes, além de rodovias e treinamento de pessoal.

Mais conteúdo sobre:
fome ONU FAO diretor jejum

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.