AFP PHOTO / NICHOLAS KAMM
AFP PHOTO / NICHOLAS KAMM

Diretor de comunicação da Casa Branca pede demissão

Mike Dubke comunicou decisão de se desligar do governo ao presidente Donald Trump no dia 18 deste mês, mas ainda não definiu a data em que deixará o cargo; rumores indicam que governo deve mudar estratégia nesta área

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 09h12

WASHINGTON - O diretor de comunicação da Casa Branca, Mike Dubke, pediu demissão ao presidente americano, Donald Trump, depois de semanas de especulações sobre a possibilidade de o governo adotar mudanças na estratégia desta área em razão das polêmicas investigações que tentam determinar se a Rússia interferiu nas eleições americanas.

Reconhecido estrategista republicano, Dubke entregou sua carta de demissão ao presidente no dia 18 deste mês, mas se comprometeu a acompanhar Trump em sua primeira viagem ao exterior - realizada entre os dias 19 e 27 -, informou o jornal americano The Washington Post.

De acordo com o site Axios News, primeiro a noticiar a decisão do diretor de comunicação, a saída foi negociada entre as partes e Dubke, que tinha entrado para a administração republicana no fim de fevereiro, ainda não definiu a data em que deixará o cargo. Nesta terça-feira, ele deve ir à Casa Branca e se reunir com sua equipe para comunicar oficialmente sua decisão, disse uma fonte do governo.

Em um e-mail enviado para amigos e colegas de trabalho mais próximos nesta manhã, Dubke escreveu: "Foi minha grande honra servir ao presidente Trump e à sua administração. Também foi meu distinto prazer trabalhar lado a lado, dia após dia, com a equipe de comunicação e o departamento de imprensa (da Casa Branca)".

Dubke, de 47 anos, - que atuava de forma coordenada com o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer - trabalhava nos bastidores para definir as estratégias de comunicação do governo e as respostas para as crises criadas por Trump, como a demissão do diretor do FBI, James Comey, além de definir políticas e outras iniciativas nesta área.

As operações de comunicação - e Dubke e Spicer, especificamente - foram duramente criticados pelo próprio Trump e por muitos dos principais funcionários da Ala Oeste da Casa Branca, que acreditam que o presidente foi mal assessorado por sua equipe, especialmente após a demissão de Comey.

Dubke representava um tipo raro no governo Trump, no qual a relação pessoal e a proximidade com o presidente são atributos amplamente valorizados. Ele não havia trabalhado nem na campanha do republicano nem em sua equipe de transição e ainda tenta angariar aliados entre seus colegas de trabalho.

O cargo de diretor de comunicações da Casa Branca foi ocupado inicialmente por Jason Miller, conselheiro sênior da campanha de Trump, que deixou a posição poucas semanas após a posse do republicano, em 20 de janeiro alegando que desejava passar mais tempo com a família.

Depois, o próprio Spicer acumulou a função durante algumas semanas, até que Dubke fosse contratado para cuidar em tempo integral do posto. / WASHINGTON POST, EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Rússia WASHINGTON Casa Branca Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.