1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Diretor de jornal  é condenado a 4 anos de prisão na Venezuela

- Atualizado: 11 Março 2016 | 21h 12

David Natera foi considerado culpado de 'difamação' por publicar denúncia de corrupção no governo venezuelano

CARACAS - O diretor do diário venezuelano, Diário de Caroni, David Natera, foi condenado nesta sexta-feira, 11, a 4 anos de prisão por difamação, após ter publicado, em 2013, denúncias de corrupção envolvendo a mineradora estatal CVG Ferrominera Orinoco. Entidades de classe e que monitoram a liberdade de imprensa, como o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) e a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticaram a medida. 

"A condenação tem o claro objetivo de intimidar o jornalismo", disse o diretor de liberdade de imprensa da SIP, Claudio Paolillo.  O CPJ ressaltou que a condenação terá impacto na prática do jornalismo investigativo na Venezuela.

Maduro vota em eleições parlamentares na Venezuela

Maduro vota em eleições parlamentares na Venezuela

Natera recorreu da condenação na primeira instância e terá de se apresentar de 30 em 30 dias à Justiça. Ele não poderá deixar o país. 

Mais cedo, o diário El Carabobeño informou que   deixará de circular a partir do dia 17, após 82 anos de publicação, em razão da falta de papel, informou ontem o próprio veículo, que afirma que a fábrica estatal não vende o material à empresa há um ano.

“El Carabobeño, em seu formato impresso, se despedirá a partir do dia 17 de março. A razão é única: não há papel. A empresa socialista que monopoliza a venda desse material vital para a circulação dos veículos de comunicação, o Complejo Editorial Alfredo Maneiro, não nos vende a matéria-prima há um ano”, afirmou a corporação em comunicado.

De acordo com o jornal, sediado na cidade de Valencia, o governo nega ao veículo desde 2013 a aquisição de divisas para “concretizar a importação de papel, processo que a empresa desenvolvia há 40 anos”.

Na Venezuela, rege desde 2003 um controle estatal de câmbio que impede a livre compra e venda de divisas, administradas de maneira exclusiva pelo governo. / AFP

Cenas da crise venezuelana
REUTERS/Jorge Silva
Escassez na Venezuela

Consumidora aproveita  chegada de alimentos a supermercados para estocar comida

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX