1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Disputa republicana se concentra em 4 nomes antes de primária na Carolina do Sul

- Atualizado: 18 Fevereiro 2016 | 13h 00

Donald Trump, Ted Cruz, Marco Rubio e Jeb Bush são os favoritos na disputa pelo eleitorado do partido; pesquisas nacional feitas recentemente se contradizem sobre vantagem de Trump

CHARLESTON, EUA - A disputa republicana pela indicação do candidato presidencial do partido se tornou uma corrida de quatro concorrentes, no tocante a quem tem a experiência ideal e é mais conservador, dias antes de os eleitores do Estado da Carolina do Sul irem às prévias partidárias.

Em entrevistas para a televisão e eventos de campanha, Donald Trump, líder nas pesquisas, ameaçou processar Ted Cruz, senador do Texas, por causa de um anúncio de TV negativo, enquanto o senador Marco Rubio, da Flórida, acusou Cruz de mentir a respeito de seu histórico, e o ex-governador da Flórida Jeb Bush questionou a experiência de Rubio para servir como presidente.

Donald Trump (1), Ted Cruz (2), Marco Rubio (3) e Jeb Bush (4) são os favoritos entre os pré-candidatos republicanos

Donald Trump (1), Ted Cruz (2), Marco Rubio (3) e Jeb Bush (4) são os favoritos entre os pré-candidatos republicanos

Em meio à troca de farpas, a governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, endossou Rubio como a melhor opção dos republicanos para reconquistar a Casa Branca - um golpe em Bush, que havia feito bastante lobby para conquistá-la.

O apoio da governadora a Rubio, de 44 anos, representa uma ajuda valiosa para tentar atrair os eleitores antes da primária de sábado no Estado, a terceira etapa depois de Iowa e New Hampshire no processo de escolha do candidato do partido para a eleição de 8 de novembro, que elegerá o sucessor do presidente Barack Obama.

Bush teve um dia duro, sendo informado sobre o anúncio de Nikki pouco antes de um comício na cidade de Summerville durante o qual quatro membros da plateia questionaram sua estratégia de campanha e deram dicas sobre como ter mais impacto na Carolina do Sul.

A maior parte do embate entre os pré-candidatos ocorreu nas redes de televisão, já que Trump, bilionário do setor imobiliário e ex-apresentador de reality shows, de 69 anos, disparou ataques contra seus rivais em um encontro realizado pelo canal MSNBC, e Rubio e Cruz trocaram acusações em aparições consecutivas em um debate da CNN em Greenville, na Carolina do Sul.

Trump também ficou furioso com um anúncio de TV da campanha de Cruz que abordou uma posição antiga do empresário a favor do aborto. Trump afirma que se tornou conservador e que agora se opõe à prática. "Você olha um cara como Ted Cruz, ele é um cara nojento", disse Trump. "Ele não tem nenhum apoiador republicano no Senado, e ele trabalha no Senado. Pensem nisso. É difícil de acreditar".

Pesquisas. Duas pesquisas divulgadas nessa semana mostram resultados opostos na corrida republicana. Enquanto o levantamento nacional feito pela NBC News/Wall Street Journal aponta um crescimento das intenções de voto em Ted Cruz, que teria ultrapassado Trump, os dados da Universidade de Quinnipiac mostram o bilionário com uma boa margem sobre Rubio, que estaria em 2º lugar.

Pela pesquisa da NBC News/Wall Street Journal, Cruz tem 28% das intenções de voto contra 26% de Trump. Na sequência, aparece Rubio, com 17%, John Kasich, com 11%, Ben Carson, com 10%, e Jeb Bush, com 4%. O levantamento diverge radicalmente da pesquisa anterior feita pelo grupo, que mostrava Trump com 33% das intenções de voto e Cruz com 20%.

Em declarações publicadas pelo site da NBC, o pesquisador Bill McInturff, um dos responsáveis pelo levantamento, disse que ainda é muito cedo para saber se esses resultados significam uma mudança definitiva na disputa.

"Quando você tem um número tão diferente, isso pode significar que você pode ter capturado o momento de mudança de opiniões dos eleitores", disse McInturff. "O que não dá para saber é se essa mudança vai se consolidar ou se é uma pausa momentânea antes de os números voltarem ao normal."

Já no levantamento nacional elaborado pela Universidade de Quinnipiac, do Estado de Connecticut, o polêmico magnata lidera a corrida pela indicação conservadora com um apoio de 39%. Em segundo lugar, muito atrás, aparece Rubio, com 19%, seguido por Cruz, com 18%.

O quarto lugar é Kasich, com 6%, à frente de Jeb Bush e de Ben Carson, ambos com 4%, indicou a pesquisa, feita entre os dias 10 e 15 de fevereiro e com uma margem de erro de 4%.

Essa pesquisa mostra um crescimento de 8 pontos de Trump em relação à anterior, feita pela mesma universidade no último dia 5 (antes do triunfo do magnata nas primárias de New Hampshire no dia 9). Cruz teria perdido quatro pontos e Rubio se manteve igual.

"As informações sobre a queda iminente de Donald Trump como candidato são claramente muito exageradas", afirmou o diretor adjunto da pesquisa da Universidade de Quinnipiac, Tim Malloy, em alusão aos analistas que afirmam que o multimilionário, em quem ninguém apostava quando se postulou como candidato em junho, acabaria perdendo terreno. / REUTERS e EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX