Documentário contra Kerry irá ao ar em rede nos EUA

A Comissão Federal de Comunicação (FCC, na sigla em inglês) não irá interferir para impedir a transmissão, por uma rede de tevês, de um documentário que critica as atividades contra a guerra do Vietnã do candidato presidencial democrata John Kerry, informou o presidente da comissão. "Não espere que bloqueemos a transmissão do programa", disse a repórteres o presidente Michael Powell, filho do secretário de Estado Colin Powell. Dezoito senadores democratas escreveram a Powell e pediram para que ele investigasse os planos da Sinclair Broadcast Group de transmitir o documentário "Honra Roubada: Feridas que Nunca Fecham" duas semanas antes da eleição de 2 de novembro. Powell afirmou que não existe legislação federal que proíba o programa. "Acho que seria uma absoluto desserviço à Primeira Emenda (que garante a liberdade de expressão) e acho que seria inconstitucional se tentássemos proibi-lo". Ele admitiu considerar as preocupações dos senadores, mas acrescentou que elas não equivalem a uma reclamação formal. As regras que regem a FCC exigem que um programa seja transmitido antes que possa haver reclamação formal e investigação. A Sinclair orientou suas 62 estações de tevê a transmitir em horário nobre o documentário. O filme relata o testemunho em 1971 de Kerry no Congresso americano e inclui entrevistas com prisioneiros de guerra do Vietnã e suas mulheres, que afirmam que o testemunho de Kerry, denunciando atrocidades cometidas pelos EUA, denegriu os veteranos e levou seus captores no Vietnã a mantê-los presos.

Agencia Estado,

14 Outubro 2004 | 17h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.