Sergey Ponomarev/The New York Times
Sergey Ponomarev/The New York Times

EI executa três pessoas amarrando-as a colunas que seriam explodidas em Palmyra

Segundo ONG, grupo jihadista, que já destruiu templos no local, não informou quem eram os executados e o motivo das execuções 

O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2015 | 08h58

PALMIRA - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) executou três pessoas na cidade antiga de Palmyra, amarrando-as a três colunas históricas que seriam explodidas, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos na segunda-feira 26.

Segundo a ONG sediada em Londres, "no domingo três pessoas foram amarradas às colunas, que posteriormente (os jihadistas) explodiram".

Segundo Khaled al Homsi, militante de Palmyra, o grupo jihadista não informou as identidades das pessoas executadas, nem a razão das execuções. "Não havia ninguém ali para assistir (às execuções). As colunas foram destruídas e o EI impediu o acesso ao local", disse Al Homsi.

O EI, que em maio expulsou de Palmyra as forças militares do regime do presidente sírio, Bashar Assad, já destruiu parte da riqueza arqueológica da cidade, qualificada pela Unesco parte do Patrimônio Mundial da Humanidade.

Em outubro, o EI destruiu o Arco do Triunfo da cidade e em setembro vários monumentos funerários, depois de ter explodido um mês antes os dois templos mais belos da cidade, de Bel e Balshamin.

Antes do começo do conflito na Síria, em 2011 (que deixou mais de 250 mil mortos), cerca de 150 mil pessoas visitavam anualmente as ruínas de Palmira. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico EI Síria Palmyra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.