1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Estado Islâmico pode ter cometido genocídio no Iraque, alerta ONU

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 08h 49

Entre crimes cometidos pelo EI estão queimar pessoas, decapitar e abusar sexualmente de crianças; 19 mil morreram em 2015

GENEBRA - O grupo extremista Estado Islâmico (EI) pode ter cometido "potencialmente um genocídio" no Iraque. Esse é o resultado de uma investigação publicada nesta terça-feira, 19, pelo Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos, que denuncia as violações do grupo jihadista e aponta que o conflito entre governo e extremistas deixou mais de 18,8 mil mortos apenas em 2015. 

Dados coletados pela ONU mostram que, além dos mortos, 36,2 mil feridos foram registrados entre janeiro e outubro de 2015. Entre maio e outubro do ano passado, foram registradas 3,8 mil mortes e o conflito ainda deixou outros 3,2 milhões refugiados, inclusive 1 milhão de crianças. 

O vídeo, que não foi verificado de modo independente, mostra o assassinato de cinco homens acusados de espionar para o Ocidente, enquanto o homem mascarado afirma que o Estado Islâmico um dia invadirá a Grã-Bretanha

O vídeo, que não foi verificado de modo independente, mostra o assassinato de cinco homens acusados de espionar para o Ocidente, enquanto o homem mascarado afirma que o Estado Islâmico um dia invadirá a Grã-Bretanha

O EI não é o único responsável. Segundo a ONU, as forças de segurança do governo iraquiano e seus aliados - milícias e grupos tribais - também são acusados de organizar sequestros e assassinatos ilegais. "Muitos desses incidentes ocorrem com pessoas suspeitas de colaborar com o EI", diz o documento. 

Mas é na atuação do EI que as denúncias se concentram, apontando para o descobrimento de fossas comuns, muitas delas em regiões controladas pelos jihadistas. "O Estado Islâmico continua cometendo de forma sistêmica e generalizada violações e abusos do direito humanitário internacional e dos direitos humanos", afirma a ONU. "Esses atos podem supor, em alguns casos, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e potencialmente genocídio". 

Segundo a investigação, são vítimas "todos que se opõe ao EI, pessoas filiadas ao governo, como membros das forças de segurança, funcionários, profissionais como advogados, médicos ou jornalistas, além de líderes religiosos". 

O grupo jihadista teria criado seu próprio sistema judicial, com castigos desumanos, amputações e a aplicação de centenas de sentenças de morte. As execuções públicas teriam se multiplicado, com casos de mortes "por disparos, decapitação, queimando vivo ou jogando a pessoa do último andar de um edifício". 

Em relação às crianças, os abusos também chocam a ONU. Entre 800 e 900 crianças teriam sido sequestradas em Mossul para passar por um "treinamento militar e educação religiosa", enquanto em Anbar dezenas foram assinadas por tentar fugir da convocação para lutar. "O EI continua abusando sexualmente de crianças e mulheres, há em especial a escravidão sexual", afirma a investigação. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX