1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em acordo com Cuba, EUA autorizam até 110 voos diários para a ilha

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 10h 47

Havana e outras nove cidades com aeroportos em condições de receber voos internacionais serão os destinos da empresas americanas que quiserem operar voos para a ilha

WASHINGTON - Estados Unidos e Cuba assinaram nesta terça-feira, 16, um termo de entendimento sobre aviação civil que autoriza até 110 voos regulares diários para Havana e outros nove destinos na ilha, informaram fontes oficiais do governo americano.

De acordo com funcionários do Departamento de Estado, as autoridades cubanas começarão imediatamente o processo de convidar as empresas aéreas americanas interessadas em operar essas linhas e esperam atribuir os destinos até o próximo verão no hemisfério norte.

Passageiros aguardam para despachar malar no Aeroporto de Miami antes de embarcarem em voos charter para Cuba

Passageiros aguardam para despachar malar no Aeroporto de Miami antes de embarcarem em voos charter para Cuba

Depois de mais de um ano de negociações, a assinatura do acordo em Havana representa um dos passos mais efetivos da normalização das relações entre os dois países depois de mais de meio século de rompimento das relações diplomáticas.

O documento prevê a autorização de voos regulares "entre qualquer cidade dos Estados Unidos e qualquer cidade de Cuba", desde que o destino esteja dotado de infraestrutura para voos internacionais.

"Inicialmente, as empresas americanas serão autoriza a realizar 20 voos diários para Havana, o maior mercado cubano. É importante lembrar que atualmente a quantidade de voos autorizados é zero", afirmou Thomas Engle, subsecretário da divisão de Transportes no Departamento de Estado.

Ao mesmo tempo, essas empresas estarão autorizada a realizar "dez voos regulares diários para qualquer outra cidade em  Cuba que tenha um aeroporto com capacidade para receber voos internacionais", completou Engle.

Até o momento, as autoridades dos EUA incluíram no entendimento entre os dois países os aeroportos de Camagüey, Cayo Coco, Cayo Largo, Cienfuegos, Holguín, Manzanillo, Matanzas, Santa Clara e Santiago de Cuba.

Ainda de acordo com o subsecretário, as autoridades cubanas analisarão "futuros pedidos dos EUA para aumentar a frequência do serviço". "Os governos reafirmam assim seu compromisso de fortalecer a cooperação em questões de segurança aeronáutica", disse Engle.

Os voos comerciais entre Estados Unidos e Cuba foram cancelados há mais de meio século, mas desde meados da década de 1970 estão autorizados os voos charter - fretados por empresas ou clientes individuais - sob determinadas condições.

Em julho, EUA e Cuba reabriram formalmente suas respectivas embaixadas em Havana e Washington e estão, desde então, empenhados no longo e complicado processo de normalização completa de suas relações bilaterais.

No entanto, em razão do embargo econômico e financeiro adotado pelos americanos contra a ilha nos anos 1960 as viagens de turismo para Cuba continuam proibidas - apesar de o Departamento de Tesouro dos EUA ter criado 12 categorias específicas para estender a emissão de autorizações excepcionais de viagem para a ilha. / AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX