AP Photo/Mike Stewart
AP Photo/Mike Stewart

Em discurso na NRA, Trump promete pôr 'fim a ataques' ao direito de portar armas

Presidente é o primeiro no cargo a falar à NRA desde o governo de Ronald Reagan, em 1983; em seu discurso chama senadora democrata de 'Pocahontas'

O Estado de S. Paulo

28 Abril 2017 | 15h56

O presidente americano, Donald Trump, prometeu nesta sexta-feira, 28, em discurso na Associação Nacional de Rifles (NRA) pôr um fim ao que chamou de "oito anos de ataques às liberdades da Segunda Emenda" - que garante aos americanos o direito de portar armas. Trump é o primeiro presidente no cargo falar à NRA desde o governo de Ronald Reagan, em 1983. 

O discurso vem em meio a um debate sobre armas nos EUA e poucas semanas após a confirmação do juiz Neil Gorsuch, na Suprema Corte, sendo o primeiro juiz indicado que se mostra a favor do porte de armas em alguns anos. Encorajada pela maioria conservadora de 5 a 4 na Suprema Corte, os defensores da Segunda Emenda disseram que planejavam apresentar mais ações judiciais que desafiassem a regulamentação de armas no país.

Durante os oito anos do governo Barack Obama, algumas iniciativas foram apresentadas pela presidência democrata com o objetivo de restringir um pouco o fácil acesso a armas nos EUA. Nenhuma delas, porém, avançou. 

Trump participou do encontro anual do maior e mais poderoso lobby de armas nos EUA, de quem ganhou significativo apoio nas eleições do ano passado. No encontro, o presidente procurou assegurar o apoio do grupo caso decida disputar um segundo mandado. 

'Pocahontas'. O republicano instou seus colegas de partido a se mobilizarem para as eleições de meio de mandato, no ano que vem, que ele diz ver como um espécie de referendo sobre sua presidência. Trump disse ter um pressentimento de que as próximas eleições serão "inundadas" de candidatos como "Pocahontas", ao se referir a uma das mais antigas senadoras democratas americanas Elizabeth Warren. 

Ao chamar a senadora pelo nome do personagem infantil, Trump reaviveu o que tem sido considerado um insulto nos EUA contra a senadora de Massachusetts, que declarou ser descendente e parte da comunidade nativa americana. 

Trump falou na abertura da convenção nacional da NRA, realizada em Atlanta, Geórgia. Por ironia, quem participou do evento, não pode entrar armado. Armas são permitidas na maioria dos espaços públicos da Geórgia, incluindo o Georgia World Congress Center, onde acontece a convenção. Mas em razão da presença de um presidente, as armas hoje não foram permitidas. / AP 

 

Mais conteúdo sobre:
Donald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.