1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em menos de 3 anos, Maduro falou mais de 500 horas em rede nacional

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 22h 47

Desde que assumiu a presidência, buscou imitar seu antecessor, conhecido por seus longos discursos

CARACAS - O presidente Nicolás Maduro passou mais de 500 horas falando à população da Venezuela desde que assumiu o poder há quase três anos, demonstrando uma eloquência reminiscente de seu antecessor, Hugo Chávez, de acordo com um grupo de monitoramento.

Maduro faz discurso no Palácio Miraflores, em Caracas

Maduro faz discurso no Palácio Miraflores, em Caracas

Os dados, do grupo local Monitoreo Ciudadano, crítico ao governo, foram baseados nos discursos de Maduro em cadeia nacional de rádio e televisão, quando todas as emissoras locais são obrigas a transmitir ao vivo os discursos de Maduro.

Contando outros discursos, transmitidos somente pela TV estatal, o ex-motorista de ônibus e ministro das Relações Exteriores passou muito mais tempo discursando publicamente.

"Nas primeiras semanas deste ano, ele ultrapassou 500 horas", informou o grupo nesta semana em um blog. "Toda vez que a presidência realiza uma cadeia está negando aos venezuelanos o controle da liberdade de informação e entretenimento".

As transmissões em rede nacional foram o pilar da estratégia de comunicação de Chávez durante sua presidência, de 1999 a 2013, antes de morrer de câncer. Enquanto muitas vezes encantava apoiadores com seu estilo folclórico, piadas e músicas, Chávez também irritava pessoas ao atrapalhar a transmissão de jogos de beisebol e novelas.

Embora seja um orador menos dotado que Chávez, Maduro continuou avidamente as transmissões em rede nacional após ganhar a eleição para presidente do país produtor de petróleo em abril de 2013. Ele frequentemente diz que as transmissões são necessárias para que a mídia hostil não oculte suas políticas de bem-estar. / Reuters

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX