Rodrigo Cavalheiro/Estadão
Rodrigo Cavalheiro/Estadão

Em protesto, Praça de Maio ganha casa

Veteranos das Malvinas que estão no local há mais de 7 anos tentam erguer construção

Rodrigo Cavalheiro, correspondente, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2015 | 02h01

BUENOS AIRES - Após sete anos e meio acampados na principal praça argentina, veteranos da Guerra das Malvinas que atuaram no continente e exigem benefícios iguais aos dos que combateram nas ilhas desmontaram ontem suas barracas. Só parecia um recuo.

Assim que amanheceu, eles começaram a construir, num dos canteiros da Praça de Maio, uma casa de tijolos e cimento para "protestar mais comodamente". Chegaram a escavar um buraco para o puxadinho onde seria erguido um banheiro, quando a Justiça, por volta do meio-dia, ordenou que a obra parasse. A essa altura, já havia duas paredes com seis fileiras de tijolos de altura, cercadas por dezenas de câmeras de TVs e centenas de celulares de curiosos e turistas, que espantados fotografavam a nova "atração", a 10 metros do monumento ao redor do qual algumas mães de desaparecidos na ditadura (1976-1983) ainda protestam às quintas-feiras.

"Achei genial", disse a turista espanhola Alba Montalban, de 27 anos. O guia do grupo em que ela andava de bicicleta, Alejo del Águila, relatou estar acostumado a visitantes britânicos que aprendem sobre uma guerra diferente. A Grã-Bretanha tem soberania sobre as ilhas, que chama de Falklands.

No início da madrugada, após negociações, os veteranos começaram a desmontar a estrutura, acatando decisão judicial. A Praça de Maio, diante da qual fica a Casa Rosada, é patrimônio nacional. A segurança no local é função da Polícia Federal, embora a manutenção seja do município. "Com as barracas, já havíamos nos tornado parte da paisagem. Já que estamos aqui tanto tempo, queremos estar um pouquinho mais cômodos", disse Oscar Veloso, um dos veteranos da praça.

A presidente é o principal alvo das faixas do grupo. "CFK (Cristina Fernández de Kirchner), lembra quando apagava a luz e fechava as janelas de sua casa, temendo um bombardeio inglês? Nós cuidamos de você e agora você nos trai?", dizia uma.

Há precedentes de indenização a quem trabalhava em radares em terra, mas a Justiça nega a extensão dos benefícios a quem por exemplo trabalhava em hospitais, caso de Alfredo Aguirre, que virou pedreiro e ontem usava uniforme do Exército. Ele ganha 4 mil pesos (1,6 mil) por mês e calcula que um soldado com os direitos reconhecidos chega a 15 mil pesos (R$ 6,1 mil).

"Não fomos às ilhas, mas do continente partiu a artilharia mais pesada contra os britânicos, que chegaram à costa. Já estamos perdendo a dentadura e a audição, cansados de fazer bicos", disse Gustavo Nápoli, um dos porta-vozes do movimento.

Mais conteúdo sobre:
Praça de Maio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.