REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Em Seul, Trump rejeita necessidade de debater controle de posse de armas nos EUA

Presidente americano disse que se houvesse mais restrições, vítimas do ataque no Texas 'poderiam ser centenas’

O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2017 | 10h42

SEUL - O presidente americano, Donald Trump, rejeitou nesta terça-feira, 7, a necessidade de iniciar um debate sobre o controle de posse de armas nos EUA e disse que com mais restrições as vítimas do ataque no Texas "poderiam ter sido centenas".

+ Vítimas no Texas incluem crianças e uma grávida

"Se aquele homem não tivesse uma arma e não tivesse disparado contra o atirador, as vítimas poderiam ser centenas", disse Trump em referência a Stephen Willeford, morador de Sutherland Springs que, armado com seu próprio fuzil, enfrentou o homem que abriu fogo em uma igreja matando 26 pessoas e se suicidando em seguida.

+ Para lembrar: Os ataques a tiros contra igrejas nos EUA

O presidente americano encerrou assim as perguntas sobre uma modificação de lei em razão do pior massacre da história do Texas em entrevista coletiva em Seul, onde afirmou que "o Estado com mais controles de armas é Chicago e é um desastre".

Trump, que realiza uma visita oficial à Coreia do Sul, participou de uma entrevista coletiva junto ao seu colega, Moon Jae-in, na qual voltou a defender sua postura com relação às armas.

O líder americano já havia afirmado no dia anterior em Tóquio que o ataque ocorreu em razão de "um problema de saúde mental de alto nível" e não de armas.

No total, 26 pessoas morreram e 20 ficaram feridas no domingo quando participavam de um evento em uma igreja batista da cidade de Sutherland Springs e um homem efetuou disparos no interior do recinto.

O massacre foi perpetrado por Devin Kelley, um ex-soldado de 26 anos que foi expulso da Força Aérea por má-conduta. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.