AP Photo/Burhan Ozbilici
AP Photo/Burhan Ozbilici

Embaixador da Rússia na Turquia é assassinado em Ancara

Mevlut Mert Altintas, de 22 anos, era policial formado na Academia de Polícia da cidade de Izmir e atacou o diplomata russo com tiros pelas costas; durante um minuto e meio, ele reivindicou o crime mencionando a violência em Alepo, na Síria

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S. Paulo

19 Dezembro 2016 | 14h51
Atualizado 19 Dezembro 2016 | 23h25

Um policial turco assassinou nesta segunda-feira à tarde o embaixador russo em Ancara, Andrei Karlov, com tiros pelas costas em uma galeria de arte. Após disparar nove vezes, Mevlut Mert Altintas, de 22 anos, gritou em turco: “Não se esqueça de Alepo, não se esqueça da Síria. Enquanto os habitantes não estiverem em segurança, vocês também não estarão”.

 O policial foi morto por forças de segurança turcas que chegaram ao local em blindados, depois de mais de 15 minutos de troca de tiros. O atentado ocorreu quando o diplomata discursava em uma cerimônia no vernissage de uma exposição realizada no Ancara Contemporary Arts Center. Outras três pessoas foram feridas. 

Segundo o analista sírio Hassan Hassan, que traduziu o vídeo e postou a tradução no Twitter, o assassino ainda gritou em árabe: “Fizemos um juramento a Maomé de morrer no martírio. É uma vingança pela Síria e por Alepo”.

 Imagens de vídeo mostram o homem vestindo terno escuro atrás do embaixador no momento em que o diplomata começava seu discurso. Ouvem-se disparos, o russo cai, o enquadramento é ampliado e toda a fala do atirador é registrada. O policial aponta a arma para os convidados, que se refugiam no fundo da galeria. Aparentemente, os feridos foram atingidos por balas dirigidas ao diplomata e não corriam risco de vida. 

De acordo com o fotógrafo Hasim Kilic, da equipe de reportagem do jornal Hurriyet que acompanhava o evento, o agressor primeiro atirou para o alto, e a seguir atingiu o embaixador pelas costas. Durante um minuto e meio, ele reivindicou a autoria do crime mencionando a violência em Alepo. Karlov morreu no hospital quando recebia atendimento.

Uma vez que o local foi esvaziado, agentes dos serviços especiais da Turquia invadiram o centro cultural e feriram o assassino. Ele ainda teria conseguido se refugiar em outro andar do edifício, onde o tiroteio prosseguiu. Ao fim de cerca de 15 minutos de troca de disparos, o agressor foi morto.

Conforme agentes de segurança do Ancara Contemporary Arts Center informaram ao Hurriyet, o agressor teria se apresentado com uma identidade de agente de polícia da Turquia. A informação ainda não havia sido confirmada pelas autoridades turcas na noite de ontem, mas, em Moscou, o Ministério das Relações Exteriores russo afirmou que o assassino era agente das forças especiais do Departamento de Polícia de Ancara.

Era investigada a hipótese de que o policial simplesmente tivesse se colocado na exposição em uma posição típica de guarda-costas. Sua roupa também sugeria que ele pretendia se passar por um segurança. 

De acordo com o ministro do Interior, Suleyman Soylu, toda a área foi isolada e as forças de ordem continuariam no início da noite a inspecionar o centro cultural em busca de evidências que possam explicar o assassinato. A polícia deteve o pai, a mãe e uma irmã de Altintas na casa da família na cidade de Aydin. A residência do assassino em Ancara também foi revistada e um companheiro de quarto dele foi levado pelas autoridades para interrogatório.

Em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, classificou a morte do embaixador como um “ato terrorista”. A porta-voz do ministério, Maria Zakharova, seguiu a mesma linha. “Qualificamos o que aconteceu de ataque terrorista. Nós estamos em contato com as autoridades turcas, que estão nos colocando a par de uma ampla investigação em curso”, afirmou a porta-voz.

O crime ocorreu na véspera de uma reunião de embaixadores de Rússia, Irã e Turquia marcada em Moscou para discutir os rumos do conflito na Síria após a vitória das forças do regime de Bashar Assad na cidade de Alepo, no norte do país. Embora não fosse participar das negociações em Moscou, Karlov vinha participando de forma ativa de contatos multilaterais com o governo turco e também com autoridades iranianas e sírias, além de grupos rebeldes, para a organização da retirada dos civis da cidade de Alepo.

Em uma ligação telefônica, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, conversou com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, sobre as circunstâncias do crime. A Rússia é aliada do presidente sírio e os ataques russos ajudaram as forças sírias a terminar com a resistência rebelde na cidade de Alepo na semana passada. A Turquia, que há muito busca a saída de Assad, vem reparando seus laços com Moscou depois de ter derrubado um avião russo na Síria no ano passado. 

ATENÇÃO AO VÍDEO ABAIXO. IMAGENS FORTES!

Reações. O assassinato teve repercussão imediata em toda a Europa. A alta representante da União Europeia para Relações Exteriores, Federica Mogherini, prestou condolências pelo crime ao presidente russo, Vladimir Putin. "A UE condena da maneira mais enérgica possível esse ataque contra o representante de seu país na Turquia", disse ela em uma mensagem dirigida ao chanceler russo, Serguei Lavrov. "Queremos expressar nossa solidariedade com a Rússia diante deste ato criminoso de violência."

Governos da França, Alemanha, Itália e Reino Unido também enviaram condolências. O chanceler do Reino Unido, Boris Johnson, qualificou o ataque como "covarde" e "desprezível". "Estou chocado ao saber do assassinato desprezível do embaixador russo na Turquia. Meus pensamentos estão com sua família", disse o ministro em uma mensagem divulgada nas redes sociais.

O Departamento de Estado dos EUA também condenou o ataque. "Nós condenamos esse ato de violência, qualquer que seja sua fonte", afirmou o porta-voz do órgão, John Kirby, em um comunicado. "Nossos pensamentos e orações estão com ele e sua família." O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, condenou o ataque e qualificou o autor de "terrorista, islamita, radical".

A ONU também condenou o atentado contra Karlov. "Está claro que condenamos o ataque contra o embaixador russo na Turquia. Não pode haver justificativa para um ataque contra um diplomata", afirmou Stéphane Dujarric, porta-voz da secretaria-geral da ONU, Ban Ki-moon. 

Mais conteúdo sobre:
Rússia Turquia Alepo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.