1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Entrega de berços kirchneristas é suspensa pelo governo argentino

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 16h 22

Três ex-ministros de Cristina são acusados de superfaturar kits de má qualidade para recém-nascidos

BUENOS AIRES - O governo de Mauricio Macri pediu a suspensão da distribuição de kits infantis do Plan Qunita (Plano Berçinho, em tradução livre), lançado em julho de 2015 por Cristina Kirchner. Na terça-feira, 16, três ex-ministros kirchneristas foram acusados por irregularidades na licitação dos produtos, reprovados em avaliações técnicas ainda na administração anterior. O pedido para o fim da entrega ganhou destaque após a denúncia, mas foi encaminhado Ministério da Saúde no dia 5.

O juiz federal Claudio Bonadio inclui o ex-chefe de gabinete Aníbal Fernández e dois ex-ministros da Saúde, Juan Manzur e Daniel Gollán, entre 23 acusados em um processo cuja base é o superfaturamento dos kits. O magistrado pediu o bloqueio dos bens dos indiciados. Um dos programas sociais mais populares do governo de Cristina, o Plan Qunita consumiu 1,1 bilhão de pesos (R$ 293 milhões). Cada um dos 140 mil kits custou 8 mil pesos (R$ 2,1 mil), o que segundo o juiz representou um desvio de 3 mil pesos (R$ 800) por unidade ou 420 milhões de pesos (R$ 111 milhões) no total. 

Militantes kirchneristas protestam em Buenos Aires pela libertação de Milagro Sala, deputada no Parlasul e líder do movimento argentino Tupac Amaru

Militantes kirchneristas protestam em Buenos Aires pela libertação de Milagro Sala, deputada no Parlasul e líder do movimento argentino Tupac Amaru

O item principal do kit é um berço com alças de plástico que segundo o Instituto Nacional de Tecnologia Industrial (INTI) se rompe quando bebês passam dos sete quilos. As beneficiárias são mães desempregadas que recebem a Asignación Universal por Hijo, uma espécie de Bolsa Família, carro-chefe de todos os programas sociais no país. Pelo benefício, mantido por Macri, as mães ganham 270 pesos por mês por filho mantido na escola e vacinado.

Segundo o juiz, as empresas ganhadoras da licitação começaram a comprar os insumos antes de anunciado o resultado. Ele anexou ao processo a troca de ligações entre diretores delas, o que indica a combinação do preço, e salientou que nenhuma tinha experiência na área. 

Os três ministros se eximiram de responsabilidade, sem negar com veemência possíveis irregularidades. Gollán, que assumiu a pasta depois da licitação, argumentou que um ministro "não pode saber o preço de cada produto". Seu antecessor, Manzur, argumentou que assinou os papéis 20 dias antes de entregar o cargo para disputar o governo da Província de Tucumán, que ganhou em uma eleição marcada por denúncias. Fernández alegou que a licitação foi formalizada 15 dias antes de ele assumir o posto. 

O envolvimento de Fernández é o de maior repercussão porque ele foi o porta-voz do kirchnerismo durante o último ano. Envolvido em acusações não comprovadas de favorecer o narcotráfico, perdeu de forma surpreendente a disputa pelo governo da Província de Buenos Aires, onde estão 37% dos eleitores do país. Sua derrota foi decisiva segundo analistas para Macri superar o candidato kirchnerista Daniel Scioli no segundo turno da votação presidencial, em 22 de novembro.

O juiz Bonadio é o mesmo que teve o salário cortado em 30% em 2014 durante seu trabalho no Caso Hotesur, a principal investigação de corrupção envolvendo os Kirchners - há indícios de que o principal hotel da família tinha ocupação completa só no papel, em diárias pagas por um empresário ligado ao governo. O magistrado foi afastado da causa em julho e em agosto o corte de seu salário foi revisto. 

O nome de Bonadio passou a ser associado a ações contra o kirchnerismo. Este ano, ele processou o ex-secretário de Comércio Guillermo Moreno e o ex-presidente do Banco Central Alejandro Vanoli por alimentarem uma campanha contra o Grupo Clarín, inimigo de Cristina. Nesta quarta-feira, 17, Moreno ironizou a "casualidade" de ter sido acusado duas vezes (por incitação à violência e por peculato) na mesma semana por Bonadio, a quem chamou de "sujo". 

Em dois meses de governo Macri, sete kirchneristas passaram a ser investigados pela Justiça. Além dos cinco citados, o ex-vice-presidente Amado Boudou somou outra acusação a sua lista: ter viajado a trabalho em aeronaves de empresários amigos. José Sbatella, ex-presidente da Unidade de Informação Financeira, é suspeito de divulgar informações secretas sobre lavagem de dinheiro. O caso Hotesur, que envolve a família da ex-presidente e poderia influir em seu futuro político, não avançou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX