AFP PHOTO / POOL / JOHN STILLWELL
AFP PHOTO / POOL / JOHN STILLWELL

Equador concede cidadania a Assange, exilado em embaixada desde 2012

Naturalização foi concedida em 12 de dezembro, segundo a chancelaria equatoriana

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 14h42

O governo do Equador concedeu a nacionalidade ao criador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, que está exilado na embaixada equatoriana em Londres desde 2012, anunciou nesta quinta-feira a chanceler María Fernanda Espinosa.

+ Equador garante que seguirá dando asilo a Julian Assange

"Esta naturalização foi concedida em 12 de dezembro do ano de 2017", expressou a diplomata em coletiva de imprensa, acrescentando que, por esta razão, Quito solicitou a Londres que fosse reconhecido a Assange o status "diplomático", o que foi negado.

Com isso, Quito solicitou a Londres que fosse reconhecido a Assange o status de "agente diplomático equatoriano".

"Este pedido foi negado em 21 de dezembro", acrescentou, explicando que o Equador não insistirá na questão para não prejudicar as "possibilidades de proteção" a Assange.

O fundador do WikiLeaks, site que divulgou milhares de documentos secretos dos Estados Unidos, entrou na embaixada do Equador em Londres em 2012 para escapar da extradição para a Suécia, cuja justiça queria interrogá-lo como suspeito em vários crimes sexuais que ele nega. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.