EUA: afogamento, cocaína e doença mataram cantora

A morte da cantora norte-americana Whitney Houston, de 48 anos, foi provocada por afogamento acidental, embora uma doença cardíaca e o uso de cocaína tenham sido fatores que contribuíram para o falecimento da estrela, informou na noite desta quinta-feira o médico legista do condado de Los Angeles, Califórnia. Em 12 de fevereiro, um grupo de assessores de Houston encontrou o corpo da cantora na banheira de um quarto do Beverly Hilton Hotel. A cantora participaria mais tarde da entrega de um prêmio. Aparentemente, Houston morreu afogada sob efeitos da cocaína e de um colapso cardíaco.

AE, Agência Estado

22 Março 2012 | 21h21

Houston reconheceu que no passado abusou das drogas, incluída cocaína. O comunicado do legista, publicado nesta quinta-feira, disse que o relatório toxicológico determinou que a presença de cocaína no organismo da estrela "contribuiu para a morte". O comunicado também cita os efeitos da "arteriosclerose", uma doença cardíaca.

O legista não entrou em detalhes se houve uma conjunção dos três fatores na causa mortis. O relatório diz que outras drogas, como maconha, xanax e benadryl, foram encontrados no corpo da cantora, "mas não contribuíram para a morte". O relatório completo do legista será publicado em duas semanas.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.