EUA conversam com aliados sobre novas punições ao Irã

O presidente Barack Obama disse nesta quinta-feira que os EUA começaram a conversar com seus aliados sobre novas punições ao Irã pelo fato de o regime iraniano resistir aos esforços para suspender suas pesquisas com armas nucleares. O duro discurso de Obama veio depois de o Irã ter indicado que não enviará o urânio de baixo enriquecimento para ser processado na Rússia, como prevê a peça central de um acordo destinado a firmar uma resolução pacífica sobre o polêmico programa nuclear iraniano.

AE-AP, Agencia Estado

19 Novembro 2009 | 05h42

"Eles têm sido incapazes de chegar ao ''sim'' e então, como consequência, temos de começar as discussões com nossos parceiros internacionais sobre a importância de se ter consequências", disse Obama em Seul, numa breve entrevista com o presidente sul-coreano Lee Myung-bak. Obama afirmou que um novo pacote de medidas punitivas deverá ser elaborado "dentro das próximas semanas". O presidente não deu mais detalhes sobre a natureza das novas sanções, que exigiriam compromissos de apoio internacional ainda não definidos.

Obama e seu colega sul-coreano também sinalizaram impaciência com outra ameaça nuclear, a Coreia do Norte. Ambos anunciaram novas medidas conjuntas para conseguir que o país suspenda suas armas nucleares. Lee disse que Obama apoiou sua ideia de uma "grande barganha" de caráter extraordinário com a Coreia do Norte, com o oferecimento de ajuda e concessões em troca de desnuclearização, no lugar do processo gradual de negociação, recentemente interrompido.

Já o presidente americano disse que seu enviado viajará para a Coreia do Norte no começo do mês que vem para as primeiras conversas bilaterais desde o início de seu governo. A Coreia do Sul é a última etapa da viagem de Obama pela Ásia. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Obama Irã nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.