REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

EUA defendem que decisão sobre Jerusalém ajudará a avançar no processo de paz

Embaixadora do país na ONU, Nikki Haley, diz que Trump 'tirou Jerusalém' da mesa de negociação, para que líderes israelenses e palestinos possam agora abordar outros temas e defende 'coragem' do republicano para aplicar lei adota em 1995 pelo Congresso

O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2017 | 17h45

WASHINGTON - A embaixadora americana na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, defendeu neste domingo, 10, que a decisão do seu governo de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel "movimentará a bola para frente" no processo de paz entre israelenses e palestinos.

+ The Economist: Tropeços de Trump no Oriente Médio

"Quando alguém toma uma decisão sempre haverá alguns que verão isso negativamente e outros que verão positivamente. Mas, acho que, ao final, isto movimentará a bola para frente no processo de paz", afirmou ela em entrevista à rede "CNN".

Nikki defendeu assim a decisão anunciada na semana passada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e ordenar que a embaixada americana no país seja transferida de Tel-Aviv para lá.

A decisão comprometeu o papel de Washington como mediador de paz, disparou a tensão na região com dezenas de protestos, principalmente em países árabes, e provocou até uma declaração de condenação dos ministros de Relações Exteriores da Liga Árabe, que pediram a Trump que se retrate.

+ Lourival Sant'Anna: Russos e Árabes

Na entrevista à "CNN", Nikki reconheceu que o seu governo já esperava reações negativas, mas insistiu que reconhecer Jerusalém como a capital israelense ajudará na paz. Ela considerou que Trump "tirou Jerusalém" da mesa de negociação, para que líderes israelenses e palestinos possam agora abordar outros temas, como Jerusalém Oriental, que os palestinos reivindicam como capital do seu futuro Estado e Israel ocupou em 1967. Após a sua anexação, a ONU pediu que a comunidade internacional retirasse as suas delegações da Cidade Santa.

"Sobre Jerusalém Oriental ou a qualquer outra parte, isso é entre palestinos e os israelenses, isso não cabe aos Estados Unidos. O que nos cabe dizer que queremos a nossa embaixada na capital e a capital é Jerusalém", defendeu. 

Nikki disse ainda que Trump é o primeiro presidente americano que teve a "coragem" de aplicar a lei adotada no Congresso em 1995, mas que foi sistematicamente prorrogada por todos os presidentes. "Sobre as pessoas incomodadas, sabíamos que isso aconteceria. Se deve a um ato de coragem", declarou. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.