EUA e China voltarão a reunir-se com Coréia do Norte, diz Seul

EUA, China e Coréia do Norte provavelmente manterão conversações ?muito em breve? em Pequim sobre o programa de armas nucleares norte-coreano, informou nesta segunda-feira um alto funcionário sul-coreano. Ao mesmo tempo, o presidente da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, descartou o informe de que a Coréia do Norte construiu outra usina para produzir plutônio. O informe provocou temores de que a nação comunista esteja acelerando seus esforços para produzir bombas atômicas. Ra Jong-il, assessor de segurança nacional de Roh, disse em uma entrevista à rádio CBS de Seul que os EUA, a China e a Coréia do Norte estão na ?etapa final da organização de uma nova reunião? em Pequim. ?Há muito boas possibilidades de que as conversações se realizem prontamente?, disse. Mas alguns comentários norte-coreanos indicam que, mesmo com as conversações, não se pode esperar uma solução rápida para a crise: hoje mesmo, a Coréia do Norte disse que não abandonará seu programa nuclear a menos que Washington ?se comprometa legalmente à não-agressão?. ?O tema nuclear entre (o Norte) e os EUA é um assunto muito delicado sobre ?quem leva a melhor?. Por isso mesmo, não pode haver concessões ou compromissos unilaterais forçados por uma das partes. (O tema) só pode ser resolvido através de negociações baseadas nos princípios de justiça, igualdade e confiança?, disse a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.

Agencia Estado,

21 Julho 2003 | 15h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.