1. Usuário
Assine o Estadão
assine

EUA enviam ajuda militar ao Líbano

Estadão Conteúdo

29 Agosto 2014 | 16h 38

O governo libanês solicitou as armas após militantes da Síria atacarem a cidade fronteiriça de Arsal no começo do mês

ANWAR AMRO/AFP
"Esta é apenas mais recente de uma série de entregas que chegaram nas últimas 36 horas", disse o embaixador norte-americano David Hale

Os Estados Unidos têm enviado carregamentos emergenciais de armamentos para o Exército do Líbano como parte de um esforço mais amplo para combater a crescente ameaça representada por extremistas islâmicos, informaram autoridades nesta sexta-feira. O governo libanês solicitou as armas após militantes da Síria atacarem a cidade fronteiriça de Arsal no começo do mês, matando e sequestrando soldados e policiais no maior transbordamento registrado da violência da guerra civil vizinha para dentro do pequeno país.

"Esta é apenas mais recente de uma série de entregas que chegaram nas últimas 36 horas", disse o embaixador norte-americano David Hale em um evento em uma base aérea de Beirute no qual as armas foram exibidas. Hale afirmou que os EUA enviaram até agora 480 mísseis guiados antitanques, mais de 1,5 mil rifles M16-A4 e morteiros. "Mais morteiros, lançadores de granadas, metralhadoras e armas antitanques devem chegar", ele disse.

O envio de armas faz parte da reposta regional ao rápido avanço do grupo extremista Estado Islâmico, que já controla diversas cidades da Síria e do Iraque e ameaça diversos aliados dos EUA. Segundo o ministro do Interior libanês, Nohad Machnouk, Arsal ainda é uma "bomba-relógio pronta para explodir a qualquer momento".

Fotografias reveladas na internet nesta sexta-feira mostravam a decapitação de um soldado libanês que foi capturado durante a invasão a Arsal. As imagens foram publicadas em um site dos militantes e em uma conta do Twitter administrada por apoiadores do grupo extremista Estado Islâmico, mas a autenticidade das fotos não foi confirmada pelo Exército libanês.

Antes de recuar ao território sírio após a invasão do Líbano no começo do mês, os militantes, entre eles combatentes do Estado Islâmico, sequestraram 28 soldados e policiais libaneses. Nesta sexta-feira, eles publicaram fotos mostrando o assassinato de um deles, o sargento Ali Sayid. As fotos motivaram um protesto no norte do Líbano por parte das famílias dos reféns. Fonte: Associated Press.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo