Evan Vucci/AP Photo
Evan Vucci/AP Photo

EUA iniciam ofensiva diplomática contra crise na Coreia

Trump diz que China ajudará a conter Pyongyang após teste frustrado e manda seu vice-presidente a Seul

O Estado de S.Paulo

16 Abril 2017 | 19h45

SEUL - O presidente americano Donald Trump disse neste domingo, 16,  que China e Estados Unidos estão trabalhando para solucionar o “problema norte-coreano”. O vice-presidente Mike Pence está em Seul para uma visita na qual deve discutir com o governo da Coreia do Sul a crise na Península Coreana. No sábado, Pyongyang fracassou num teste com um míssil balístico cujo objetivo era demonstrar poderio militar, em meio à crescente tensão na região . 

Ao chegar a Seul, Pence declarou que o teste, ainda que fracassado foi uma provocação. “Esse teste é mais um lembrete dos riscos diários que corremos na defesa da Coreia do Sul e dos Estados Unidos”, disse Pence. 

Em discurso de Páscoa para tropas americanas na Coreia do Sul, o vice-presidente disse também que o comprometimento dos EUA com Seul permanece intacto.

Segundo a Casa Branca, o governo americano obteve boas informações sobre antes e depois do lançamento, o que abriu caminho para especulações de que, de alguma maneira, Washington poderia ter sabotado o lançamento. 

O lançamento fracassado da costa leste da Coreia do Norte, ignorando advertências repetidas da China, principal aliado, ocorreu um dia após a Coreia do Norte realizar uma grande parada militar em sua capital, marcando o aniversário de nascimento do fundador do país. No ato, foram exibidos novos mísseis balísticos.

“Por que eu chamaria a China de uma manipuladora de moedas quando ela está trabalhando com nós no problema da Coreia do Norte? Veremos o que acontece!”, escreveu Trump em publicação no Twitter. Após receber o presidente chinês, Xi Jinping, na Flórida, o americano tem amenizado o tom das críticas aos chineses. 

O principal diplomata da China, Yang Jiechi, e o secretário de Estado Rex Tillerson trocaram pontos de vista sobre a crise coreana na tarde de ontem , segundo a agência de notícias oficial chinesa Xinhua. Yang disse que ambos lados devem manter diálogo.

A Coreia do Sul, por sua vez, informou que a exibição mais recente de força do Norte ameaça o país inteiro, mas um assessor de política externa dos EUA que viajava a bordo do Air Force Two com Pence buscou neutralizar parte da tensão, dizendo que o teste com um míssil de médio alcance não é surpresa.

“É um teste fracassado. Segue outro teste fracassado. Então não há necessidade de reforçar o fracasso deles. Não precisamos expandir quaisquer recursos ”, disse o assessor em condição de anonimato. O assessor disse que o voo dos mísseis durou quatro ou cinco segundos. “Não era uma questão de se, era uma questão de quando. A notícia boa é que fracassou”. / AP, REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.