EUA isentam 11 aliados de embargo ao petróleo iraniano

Japão e 10 nações europeias não serão punidas caso violem sanções; situação de China e Índia é incerta

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

22 Março 2012 | 03h07

O governo americano anunciou ontem uma lista de 11 países - 10 nações europeias e o Japão - que estarão isentos de punições nos EUA por comprarem petróleo iraniano. Ao mesmo tempo, Washington deixou aberta a possibilidade de agir contra China, Índia e mesmo a aliada Coreia do Sul, caso esses países não "reduzam significativamente" a importação de barris iranianos.

O anúncio da isenção a europeus e japoneses foi feito pela secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. No ano passado, o Congresso americano aprovou - contra a vontade da Casa Branca - sanções unilaterais que punem companhias de países que se abastecem de petróleo iraniano. A lei afeta 23 países, incluindo vários aliados dos EUA, embora conceda ao Executivo margem de manobra para negociar bilateralmente com os clientes iranianos abrandamentos ou mesmo a anulação de punições.

Isolamento. A isenção a japoneses e europeus veio em reconhecimento ao esforço desses países para "reduzir significativamente" a compra de petróleo iraniano. No caso do Japão, a queda nas importações do Irã em um ano foi de 15% a 22% (dependendo da forma de cálculo). Pouco após a adoção das medidas unilaterais pelos EUA, a União Europeia decidiu impor um embargo total ao petróleo de Teerã, a ser implementado em até seis meses. "Os EUA estão conseguindo reduzir o mercado do petróleo iraniano e isolar o Banco Central do Irã do sistema financeiro internacional", celebrou Hillary.

Segundo a agência Bloomberg, as importações de petróleo iraniano pela China caíram 45% em fevereiro. Mas o motivo não foi político: a estatal chinesa que compra o produto e a iraniana que vende os barris não se entenderam sobre a forma de pagamento. Um novo acordo foi firmado no fim do mês passado e a importação deve ser normalizada em breve. A China é, de longe, o maior cliente de Teerã. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.