EUA não terão permissão para lutar nas Filipinas

Nenhuma tropa norte-americana terá permissão para tomar parte em qualquer operação antiterrorismo nas Filipinas, avisou hoje o conselheiro da Segurança Nacional filipina, Roilo Golez. "Queremos deixar claro que não há a menor possibilidade de os EUA conduzirem ações cobertas ou públicas usando seus próprios soldados", disse Golez. O conselheiro estava rebatendo uma reportagem do The New York Times de hoje, segundo a qual terroristas ligados a Osama bin Laden nas Filipinas, Indonésia e Malásia "estão entre alvos de futuras ações cobertas e abertas norte-americanas". A reportagem, citando oficiais dos EUA não identificados, afirmou também que as Filipinas se transformou em um campo operacional importante para terroristas, acrescentando que pessoas ligadas a Bin Laden - o principal suspeito dos atentados de 11 de setembro contra Nova York e Washington - não estão apenas em Manila, mas em várias partes do país. Segundo Golez, operações contra grupos terroristas, particularmente o grupo extremista islâmico Abbu Sayyaf, envolverão "exclusivamente tropas filipinas". "Mas os norte-americanos poderão nos ajudar através do envio de equipamentos especiais, treinamento e, provavelmente, dividindo conosco informações de inteligência", acrescentou o conselheiro. Leia o especial

Agencia Estado,

10 Outubro 2001 | 12h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.