Alexei Nikolsky, RIA-Novosti, Kremlin Pool Photo via AP
Alexei Nikolsky, RIA-Novosti, Kremlin Pool Photo via AP

EUA recusaram convite russo para discutir a crise na Síria, diz Putin

No Casaquistão, presidente russo criticou o que chamou de 'posição não construtiva' dos americanos, que se recusaram a participar de reuniões sobre o tema

O Estado de S. Paulo

15 Outubro 2015 | 10h33

ASTANA, CASAQUISTÃO - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, denunciou nesta quinta-feira, 15, a "posição não construtiva" dos Estados Unidos que, segundo o líder russo, rechaçaram a proposta de enviar delegações para as respectivas capitais para discutir a guerra na Síria.

"Essa posição (dos EUA) não é construtiva e, aparentemente, a razão da debilidade da posição americana é a falta de um plano (para a Síria). Parece que simplesmente não têm nada a falar", criticou Putin em Astana, capital do Casaquistão, de acordo com declarações exibidas pela imprensa russa.

"Não entendo como nossos parceiros americanos podem criticar as ações da luta antiterrorista da Rússia na Síria e rechaçar o diálogo direto sobre as questões importantes, como a solução política para o conflito", continuou Putin.

O governo russo diz que propôs a Washington que uma delegação de autoridades americanas fosse até Moscou para discutir a guerra civil na Síria. Diante da negativa do governo americano, Moscou propôs então que uma delegação russa liderada pelo primeiro-ministro Dimitri Medvedev viajasse para Washington.

De acordo com o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, os Estados Unidos recusaram as duas propostas.

"Dissemos que não tínhamos interesse (no encontro) porque a Rússia não estava disposta a contribuir de forma construtiva ao nosso esforço de luta contra o Estado Islâmico", confirmou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

Também nessa quinta-feira, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Alexei Meshkov, afirmou que o país está pronto para cooperar com todas as "forças construtivas", incluindo os curdos, na luta contra o Estado Islâmico na Síria.

"Estamos na Síria a convite do governo sírio e estamos prontos para trabalhar com todas as forças construtivas que estão prontas para lutar em conjunto contra o Estado Islâmico", disse Meshkov quando perguntado se a Rússia iria cooperar com os curdos, de acordo com a agência Tass. / AFP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Rússia EUA Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.