EUA seguem com sanções mesmo sem Brasil, diz fonte

O governo do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prosseguiu em frente nesta sexta-feira com os planos para sanções das Nações Unidas contra o Irã, mesmo sem o envolvimento da Turquia e do Brasil, disseram funcionários graduados dos Estados Unidos. Os funcionários, que falaram sob condição de anonimato, repetiram as fortes objeções ao acordo de troca de combustível nuclear avalizado pela Turquia e pelo Brasil.

AE, Agência Estado

28 Maio 2010 | 21h01

"Nós estamos trabalhando com todo o Conselho de Segurança (CS), tentando resolver todas as questões pendentes", disse aos repórteres um funcionário, se referindo ao trabalho no CS para uma resolução de sanções contra o Irã. "O esforço em Nova York continuará e tão logo tenhamos a percepção de que o CS estiver pronto para ir em frente, nós teremos uma votação", afirmou o funcionário.

Em 18 de maio, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse que os EUA haviam fechado um acordo com a Rússia, China, Grã-Bretanha e França sobre novas sanções contra o Irã, pela recusa da república islâmica em interromper o enriquecimento de urânio. EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha e França são os cinco membros permanentes do CS, que possuem poder de veto.

Funcionários americanos repetiram nesta sexta-feira que o acordo avalizado por Brasil e Turquia, pelo qual o Irã trocará urânio com baixo enriquecimento por combustível nuclear, é inaceitável porque o Irã ainda se recusa a parar de enriquecer urânio. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.