EUA soltam repórter da Al-Jazira, mas confiscam material

A emissora de televisão via satélite Al-Jazira informou nesta segunda-feira que seu correspondente em Mosul (no norte do Iraque) e um motorista detidos por soldados dos Estados Unidos foram liberados, mas as filmagens que levavam foram confiscadas pelos militares americanos estabelecidos no Iraque. "Estamos muito felizes pela libertação de nossa equipe e eles passam bem", disse o diretor interino Adnan al-Sharif à Associated Press em entrevista por telefone a partir de Doha, Catar, onde situa-se a sede da emissora árabe. Al-Sharif comentou que a Al-Jazira está tentando reaver as fitas rodadas por Nawaf al-Shahwani em Mosul. As fitas do correspondente continham gravações de imagens de um veículo civil iraquiano sendo atacado a tiros por uma patrulha americana na cidade, denunciou Al-Sharif. Numa entrevista à televisão americana, o subsecretário de Defesa dos EUA Paul Wolfowitz acusou as emissoras Al-Jazira e Al-Arabiya de incitarem à violência contra as forças americanas, com reportagens "tendenciosas". Por meio de um comunicado, a Al-Jazira exige uma retratação por parte de Wolfowitz. "Podemos dizer que as calúnias contra nossas reportagens feitas pelo senhor Wolfowitz e outras pessoas são uma forma de incitação da violência contra a Al-Jazira", diz.

Agencia Estado,

28 Julho 2003 | 15h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.