EUA têm setembro sangrento no Iraque

Setembro foi o segundo mês mais letal para as forças americanas no Iraque neste ano, levando a quase 500 o número de soldados mortos desde a escalada da resistência no país, em março. O número de mortos no mês foi de 80, bem acima dos 65 mortos em agosto e igual aos 80 registrados em maio. O pior mês foi abril, com 135 mortos numa onda de ataques rebeldes. Havia a esperança de que a violência diminuísse com a posse do governo provisório iraquiano em 28 de junho, mas a quantidade de mortos vêm aumentando continuamente desde então. Quarenta e dois militares americanos morreram em junho, e 58 em julho. Falando em Nova York, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, disse que a violência que vem matando grandes quantidades de civis iraquianos e soldados americanos é o preço a ser pago para garantir que os extremistas não atinjam seus objetivos. "A estrada da tirania à liberdade nunca foi pacífica ou tranqüila", afirmou, lamentando as mortes.

Agencia Estado,

04 Outubro 2004 | 16h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.