EFE/ Hayoung Jeon
EFE/ Hayoung Jeon

Europa amplia medidas de segurança para festas de fim de ano

Paris, Madri, Barcelona, Londres, Berlim, Viena e outras capitais deslocaram um grande contingente de homens armados para diferentes regiões

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2017 | 15h30

GENEBRA - Em um ano com múltiplos ataques terroristas, cidades europeias decidiram ampliar as medidas de segurança para as festas de fim de ano. Paris, Madri, Barcelona, Londres, Berlim, Viena e outras capitais deslocaram um grande contingente de homens armados para diferentes regiões em razão das comemorações do dia 31 de dezembro.

+ Nova York e Las Vegas reforçam esquema de segurança para festas de ano-novo

Em todas elas, barreiras estão sendo erguidas para impedir que jihadistas utilizem caminhões ou carros para atropelar vítimas, um método que já foi registrado no Reino Unido, na Alemanha e na França. 

+ Explosão em supermercado de São Petersburgo foi ‘ato terrorista’, diz Putin

Em Berlim, as autoridades criarão zonas públicas destinadas exclusivamente para o público feminino. A medida foi tomada depois que, em 2015, dezenas de mulheres afirmaram ter sido alvo de ataques e tentativas de violação na cidade de Colônia. O caso escancarou a tensão na sociedade alemã diante da chegada de mais de 1 milhão de refugiados naquele ano. As "zonas de segurança" estarão nas proximidades do portão de Brandemburgo. 

Mas a capital não é a única a adotar medidas. Em Colônia, a prefeitura expandiu a área em que estará proibido soltar fogos de artifício. Autoridades ainda ampliaram o número de câmeras instaladas e enviarão 1,4 mil policiais ao centro.  

Reino Unido e França

Em Londres, agentes armados estarão patrulhando a cidade, além de dezenas de policiais misturados à população nas ruas. O ano de 2017 foi marcado por uma série de atentados na cidade e com o anúncio do grupo extremista Estado Islâmico (EI) de que transformaria a noite do dia 31 de dezembro em um "inferno".  No total, foram quatro atentados no ano, matando ao menos 36 pessoas. 

Nos últimos anos, cidades como Manchester têm camuflado agentes especiais como mendigos, na esperança de conseguir detectar suspeitos antes que seja realizado um ataque. Em Birmingham, um exercício foi realizado entre os policiais durante uma noite, com atores que se passaram por vítimas de um atentado. 

Cartazes foram disseminados por extremistas, fazendo alusão a um eventual novo atentado em Paris. Em toda a França, 7 mil soldados farão parte do esquema de segurança das festas de fim de ano. Segundo a imprensa nacional, dois supostos terroristas foram detidos na semana passada em Lyon. 

Além dos militares, a França utilizará 56 mil policiais, 36 mil agentes de segurança e 40 mil outros funcionários de serviço para garantir a segurança das festas. Em dois anos, mais de 240 pessoas morreram no território francês vítimas de atentados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.