1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Evo destitui chefe de polícia após incêndio em prefeitura

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 23h 22

Decisão foi tomada dois dias antes de referendo para ampliação de mandato do presidente; seis pessoas morreram

LA PAZ - Dois dias antes do referendo para alterar a Constituição da Bolívia e permitir uma nova reeleição ao presidente Evo Morales, o governo demitiu o chefe de polícia de El Alto, o coronel José Peña. A prefeitura da cidade, liderada pela oposição, foi incendiada na quarta-feira e seis pessoas morreram. Outras sete pessoas, duas delas ligadas ao ex-prefeito Edgar Patana, do partido de Evo, foram presas.

O chefe de polícia foi demitido depois de uma série de críticas de que teria demorado em agir para interromper o incêndio. Segundo a imprensa local, a prefeitura chegou a pedir proteção à chefia de polícia.

Evo visita a construção da sede do Parlamento Sul-Americano no povoado de San Benito

Evo visita a construção da sede do Parlamento Sul-Americano no povoado de San Benito

Segundo o Ministério de Governo, as sete pessoas presas são suspeitas de envolvimento com o incêndio, no qual foram destruídas provas de corrupção da gestão anterior. A prefeitura culpou o partido de Evo, o Movimento ao Socialismo (MAS) pelo ataque, mas o governo negou a relação e disse que fará de tudo para punir os envolvidos. Dois dos detidos são dirigentes sindicais próximos ao ex-prefeito Patana. 

Os bolivianos vão às urnas amanhã para decidir se Evo poderá disputar um quarto mandato. Segundo as últimas pesquisas, que foram divulgadas na semana passada, o sim e o não estão empatados, com 40% dos votos cada um e ainda há um elevado número de indecisos. 

A campanha também foi abalada pela revelação de que uma ex-namorada do presidente, com quem ele teve um filho em 2007, foi contratada por uma empresa chinesa que tem acordos milionários com o governo. 

Segundo o jornalista boliviano Carlos Valverde , Gabriela Zapata, tornou-se gerente executiva da empresa chinesa CAMC e participou da negociação de contratos no valor de US$ 566 milhões – o que, segundo ele, constitui tráfico de influência.

Tanto Evo quanto Gabriela negam as acusações feitas pelo jornalista. O governo diz que as denúncias têm o objetivo de influenciar no resultado da votação. / AFP

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX