Reprodução
Reprodução

Ex-agente da NSA é indiciado por roubo gigantesco de dados sigilosos

Harold Thomas Martin teria, durante 20 anos, roubado 50 terabytes de material confidencial sobre segurança nacional dos EUA

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2017 | 22h20

WASHINGTON - Um ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) foi indiciado nesta quarta-feira por um júri federal pela acusação de ter retido intencionalmente informações sobre a defesa nacional, no que autoridades americanas disseram ter sido o maior roubo de informações confidenciais da história.

A acusação alega que Harold Thomas Martin, de 52 anos, passou até 20 anos roubando material governamental altamente sensível da comunidade de inteligência dos EUA relacionada à defesa nacional, coletando 50 terabytes de material confidencial que acumulou em sua casa em Glen Burnie, Maryland. O governo não disse o que, ou se algo, foi feito com os dados roubados.

Martin enfrenta 20 acusações criminais, cada uma pode ser punida com até 10 anos de prisão, disse o Departamento de Justiça. "Durante duas décadas, Harold Martin abusou flagrantemente da confiança depositada nele pelo governo", disse o advogado dos EUA, Rod Rosenstein.

O advogado de Martin não pôde ser contatado imediatamente para comentar o caso.

Esta seria a segunda vez em três anos que a NSA sofreu roubo de dados depois que o analista Edward Snowden expôs, em 2013, os programas de espionagem em massa que a agência de segurança iniciou após os atentados de 11 de setembro de 2001 contra os EUA. / REUTERS

 

Mais conteúdo sobre:
WASHINGTON EUA Maryland Edward Snowden

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.