Ex-agente da repressão militar ganha eleição na Argentina

O ex-general Antonio Domingo Bussi, notório agente da repressão durante a ditadura militar instaurada na Argentina em 1976, foi eleito prefeito de Tucumán, capital da província de mesmo nome, por uma maioria de apenas 17 votos, informaram autoridades eleitorais. As eleições para eleger governador, prefeitos e deputados foram realizadas em 29 de junho. Mas o resultado oficial em Tucumán foi adiado várias vezes, devido a impugnações apresentadas por causa da contagem apertada dos votos. Bussi, líder do partido direitista local Força Republicana, obteve 80.188 votos, contra 80.171 de seu adversário Gerónimo Vargas Aignase, filho de um político peronista seqüestrado e "desaparecido" durante a ditadura militar. Bussi já foi governador de Tucumán na década passada, mas sua diplomação como deputado federal foi repudiada pelo Congresso, por conta de seus antecedentes na ditadura. Bussi comandava as tropas aquarteladas em Tucumán no dia do golpe militar, em 24 de março de 1976. Foi nomeado interventor militar da província, posição que usou para desencadear uma onda de repressão que resultou no seqüestro e julgamento sumário de centenas de presos políticos. Também foi acusado de usar tortura em muitos detidos. Ricardo Bussi, filho do ex-general, foi derrotado no pleito para governador da província de Tucumán.

Agencia Estado,

07 Julho 2003 | 18h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.