Exército colombiano faz ofensiva geral

Com a participação de 5.000 soldados, as Forças Armadas colombianas reiniciaram nesta quinta-feira uma ofensiva em grande escala no departamento (estado) de Nariño, no sul do país, contra "rebeldes de esquerda, paramilitares e plantadores de coca", informou um porta-voz militar. A operação de rastreamento já deixou 13 guerrilheiros mortos - nove dos quais eram mebros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e quatro do Exército de Libertação Nacional (ELN) -, mas a Procuradoria informou nesta quinta que nenhum cadáver foi recuperado pelos militares. O comandante das Forças Armadas, general Fernando Tapias, afirmou que a Operação Tsunami está sendo realizada com o apoio de helicópteros, aviões da Força Aérea e da Marinha em zonas rurais de Nariño, região próxima ao Equador e à costa do Pacífico. A operação já permitiu o resgate de 13 pessoas que haviam sido seqüestradas por rebeldes de esquerda, acrescentou o general Tapias ao fazer um balanço da ofensiva que, segundo disse, prosseguirá por toda a semana. Tapias indicou que em um dos acampamentos, controlado pelas FARC, as tropas destruíram grande quantidade de insumos químicos utilizados para a produção de cocaína e apreenderam 105 milhões de pesos colombianos (equivalentes a US$ 45 mil) em papel-moeda, armas, munições e explosivos, além de material de propaganda subversiva em abundância. Tapias informou ainda à imprensa que os helicópteros detectaram pelo menos 20 mil hectares de plantações de coca em uma zona de alta influência da guerrilha que os paramilitares tentam dominar com seus homens. Ao mesmo tempo, a Procuradoria informou ter encontrado, em uma casa abandonada no sul do país, um computador e vários disquetes com informações secretas sobre os planos das paramilitares Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC). A Procuradoria, que coordenou as investigações, disse ter incorporado o material como prova contra os membros da organização ilegal de direita, conhecidos como esquadrões da morte rurais.

Agencia Estado,

24 Maio 2001 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.