Foto: Bate Felix Tabi|Reuters
Foto: Bate Felix Tabi|Reuters

Exército da Nigéria prende 400 pessoas ligadas ao Boko Haram

Membros do grupo extremista, esposas e crianças foram detidos nas ilhas do Lago Chade

O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2017 | 09h33

MAIDUGURI, Nigéria - Autoridades militares dizem que soldados nigerianos prenderam mais de 400 pessoas associadas ao grupo extremista de Boko Haram escondidas nas ilhas do Lago Chade, incluindo combatentes, esposas e crianças.

A operação, que durou duas semanas, resultou no o maior número de prisões de combatentes de Boko Haram nos últimos meses no nordeste da Nigéria, disse o coronel Onyema Nwachukwu.

A operação incluiu ofensas aéreas e terrestres. Os militares disseram que muitos insurgentes de Boko Haram foram mortos, mas não deu detalhes. Entre os detidos estavam 167 combatentes do grupo, 67 mulheres e 173 crianças. As mulheres e as crianças serão entregues às autoridades dos campos de deslocamento após investigações, disseram os militares. Outros 57 insurgentes foram presos durante uma operação separada em outra parte da região problemática.

O Boko Haram foi acusado por mais de 20 mil mortes durante sua insurgência durante oito anos, que se espalhou por países vizinhos e criou uma grande crise humanitária com milhões de pessoas refugiadas e com fome. Grupos de direitos humanos expressaram preocupação com o grande número de mulheres e crianças que foram presas na luta contra Boko Haram, dizendo que a maioria dos detentos foram apanhados aleatoriamente e sem suspeita razoável.

+Atentado suicida mata ao menos 50 pessoas na Nigéria

Em um esforço para aliviar as instalações de detenção militar superlotadas, o governo da Nigéria começou,  em outubro, julgamentos de mais de 1.600 suspeitos de membros de Boko Haram a portas fechadas em um quartel militar. Foi o maior julgamento em massa na história do grupo extremista islâmico.

O presidente da Nigéria, no final do ano passado, declarou que o Boko Haram havia sido "esmagado", o líder Abubakar Shekau continua a ser difícil e o grupo nos últimos meses realizou um número crescente de atentados suicidas e outros ataques. Muitos foram realizados por mulheres ou crianças que foram seqüestradas e adoctrinadas. No início desta semana, dezenas de governadores do estado da Nigéria aprovaram a transferência de US $ 1 bilhão para ajudar a luta do governo federal contra Boko Haram, sinalizando que os anúncios de vitória sobre os extremistas chegaram muito cedo./AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.