1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Exército da Rússia anuncia operações humanitárias na Síria

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 14h 32

Moscou lançou toneladas de suprimentos em Deir es-Zor e apelou para que o governo sírio e os militantes que o combatem permitam a entrada de estruturas humanitárias em cidades isoladas

MOSCOU - A Rússia começou nesta sexta-feira, 15, uma operação humanitária na Síria, onde dezenas de milhares de pessoas estão isoladas pela guerra e morrendo de fome, anunciou o Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.

"Os aviões de transporte militar das Forças Aéreas da Síria lançaram na zona de Deir es-Zor com ajuda de paraquedas 22 toneladas de ajuda humanitária russa", disse Serguei Rudskoi, chefe da direção geral de operações do Estado-Maior.

O diretor geral de operações do Estado-Maior russo, Serguei Rudskoi, e o porta-voz do Ministério da Defesa Igor Konashenkov anunciam que foco de Moscou na Síria é fornecer ajuda humanitária

O diretor geral de operações do Estado-Maior russo, Serguei Rudskoi, e o porta-voz do Ministério da Defesa Igor Konashenkov anunciam que foco de Moscou na Síria é fornecer ajuda humanitária

O general explicou que a maior parte da ajuda será para essa localidade, que se encontra na província de mesmo nome no nordeste da Síria e há bastante tempo é assediada pelas forças do Estado Islâmico (EI).

A Chancelaria russa também alertou nesta sexta sobre a crítica situação humanitária no país árabe. "Especial alarme desperta a situação nas assediadas Madaya, Fua e Kefraya", disse, em nota, o Ministério das Relações Exteriores. 

"Agora é necessário que todos os grupos em conflito, e também os que têm ascendência sobre eles, façam o esforço máximo a fim de permitir a provisão de ajuda humanitária", diz o texto.

Influência. A Rússia assegura que se dirigiu a Damasco para que coopere de maneira construtiva com as estruturas humanitárias da ONU para que estas possam levar as provisões de produtos básicos à população necessitada.

"Estes esforços já deram resultados palpáveis, o que foi corroborado pelos funcionários da ONU na Síria que supervisionam a entrega de ajuda humanitária a Madaya", disse.

Madaya, cidade que se encontra cerca de 40 quilômetros a noroeste de Damasco, sofre o assédio do regime sírio e de seu aliado, o grupo xiita Hezbollah, desde julho passado.

Enquanto isso, Fua e Kefraya, de maioria xiita, também estão cercadas há vários meses pela Frente al-Nusra, afiliada na Síria da Al-Qaeda.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) calcula que pode haver cerca de 40 mil pessoas presas em Madaya e cerca de 20 mil em Fua e Kefraya. Segundo a Médicos Sem Fronteiras (MSF), pelo menos 28 pessoas morreram de fome desde 1º de dezembro no hospital de Madaya, que recebe apoio desta ONG. / EFE, AFP e REUTERS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX