Exército israelense exige entrega de assassinos de ministro

Mantendo-se irredutível em suas posições, o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, afirmou, nesta segunda-feira, que seus soldados não deixarão o controle de seis cidades da Cisjordânia até que os palestinos entreguem os militantes que assassinaram um ministro do gabinete israelense. No entanto, o governo dos Estados Unidos fez, nesta segunda-feira, sua maior denúncia sobre a ocupação israelense, exigindo que Israel deixe a Cisjordânia imediatamente. Enquanto isso, em Jerusalém, milhares de israelenses participaram de manifestações, afirmando que a política de Sharon não é dura o suficiente. Eles exigiram que Sharon expulse o líder palestino Yasser Arafat e dissolva a Autoridade Palestina. Tanques israelenses entraram mais ainda em cidades palestinas, desencadeando batalhas de rua pelo quinto dia. Houve troca de tiros. Em Tulkarem, um homem de 65 anos foi morto, afirmaram os palestinos.

Agencia Estado,

22 Outubro 2001 | 21h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.