Explosão de carro-bomba mata ao menos 30 no Paquistão

Militantes islâmicos intensificaram ações de retaliação em resposta a uma ofensiva militar contra insurgentes

Agência Estado e Associated Press,

10 Novembro 2009 | 11h16

 

PESHAWAR - Pelo menos 30 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nesta terça-feira, 10, em um atentado suicida nas imediações de um mercado da cidade de Charsadda, no noroeste do Paquistão, informou uma fonte policial à Agência Efe.

 

O suicida detonou a carga explosiva que levava em um carro aproximadamente às 16h20 locais (9h20, no horário de Brasília) perto do principal mercado de Charsadda, capital de um distrito homônimo situado na conflituosa Província da Fronteira do Noroeste, segundo a fonte.

 

Mais de 50 estabelecimentos e vários veículos foram danificados pela explosão da bomba, segundo fontes policiais citadas pela imprensa paquistanesa.

 

Os feridos foram enviados a um hospital próximo e a Polícia isolou a zona em que a ação terrorista foi registrada, que já foi condenada pelo primeiro-ministro paquistanês, Yousef Raza Guilani, em comunicado divulgado por seu escritório.

 

Charsadda situa-se a cerca de 40 quilômetros de Peshawar, no turbulento noroeste paquistanês. O atentado desta terça foi o terceiro ataque em grande escala em apenas três dias em Peshawar e seus arredores.

 

Militantes islâmicos intensificaram suas ações no Paquistão no decorrer das últimas semanas em retaliação a uma ofensiva militar contra insurgentes estabelecidos em áreas semiautônomas ao longo da fronteira com o Afeganistão.

 

"Pelo menos 30 pessoas morreram e mais de 100 se feriram", afirmou o ministro da Informação da Província da Fronteira Noroeste, Mian Iftikhar Hussain. A polícia informou que há sete crianças e três mulheres entre os mortos.

 

"O lugar é movimentado. Ali fica cheio de gente até mesmo durante a noite. O ataque ocorreu no mercado principal", prosseguiu Khan. Ele negou que tenha ocorrido falha na segurança. "Eu mesmo passei por ali um minuto antes da explosão", relatou.

 

Ainda segundo Khan, a explosão do carro-bomba "certamente" foi provocada por um militante suicida.

 

Waziristão do Sul

 

Pelo menos nove supostos insurgentes morreram nos últimos combates na região tribal do Waziristão do Sul, onde o Exército paquistanês agora investe sobre pequenos povoados após já ter reconquistado os núcleos urbanos mais importantes.

 

Em comunicado, o Exército paquistanês explicou que mais um "terrorista" foi detido durante as últimas 24 horas no nordeste dessa região, que faz fronteira com o Afeganistão.

 

Segundo o Exército, os combates mais intensos ocorreram nos arredores do povoado de Ladha, onde pelo menos cinco fundamentalistas foram mortos pelas forças de segurança. Ali, as tropas encontraram e destruíram cavernas, bunkers, torres e postos de controle da insurgência.

 

O tenente-coronel Basir Haider, porta-voz militar, disse que as forças governamentais se concentram agora em pequenos povoados, após terem tomado na última semana os núcleos urbanos mais importantes da região.

 

"As fortificações insurgentes de Sararogha, Kaniguram, Ladha e Makeen estão sob controle e consolidamos nossas posições nessas localidades", ressaltou. "É possível que alguns terroristas tenham conseguido fugir do Waziristão, mas achamos que um grupo grande ainda nos espera. Acreditamos que estejam escondidos e possam ainda causar complicações", completou o porta-voz.

 

A ofensiva deixou até o momento 492 insurgentes e 46 soldados mortos, segundo cálculos militares que não incluem civis e carecem de comprovação independente.

Mais conteúdo sobre:
Paquistão atentado Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.