Reuters
Reuters

Explosão em mina de carvão na China mata ao menos 42

Dezenas de operários ficaram presos no local e meios de comunicação e ventilação foram cortados

Agência Estado, com Dow Jones e Associated Press,

21 Novembro 2009 | 08h48

Subiu para 42 o número de mortos na explosão de uma mina de carvão na China neste sábado, 21. Dezenas de trabalhadores foram soterrados e continuam presos no local, a 500 metros abaixo da superfície, em Xinxing, na província de Heilongjiang, nordeste do país. O acidente ocorreu por volta das 2h30 (16h30 de sexta-feira no horário de Brasília).

Um total de 528 mineiros trabalhavam no local, perto da cidade de Hegang, quando ocorreu a explosão, informou a Administração Estatal da Segurança do Trabalho. Segundo o órgão, 389 pessoas conseguiram escapar do local. De acordo com a reportagem de uma TV local, a causa da explosão teria sido acumulo de gás na mina. O impacto quebrou janelas que estavam a cerca de 20 metros da entrada da jazida.

 

A força da explosão também cortou os meio de ventilação e comunicação com os operários, o que dificulta os trabalhos de resgate. 

 

A mina é controlada pelo Heilongjiang Longmay Mining Holding Group, sediado na capital da província, Harbin. A agência de notícias Xinhua afirmou que o vice-primeiro ministro, Zhang Dejiang, estava se dirigindo ao local do incidente para direcionar as operações de resgate. O presidente, Hu Jintao, e o primeiro ministro, Wen Jiabao, deram instruções sobre o trabalho de resgate.

De acordo com informações no site da empresa, em 2009 ela estava em 12º lugar entre as 100 principais mineradoras chinesas e em sétimo em termos de volume de produção.

A China tem um histórico ruim de segurança no trabalho, com milhares de pessoas morrendo todo ano em minas, fábricas e construções. As minas de carvão do país estão entre as mais perigosas no mundo, com os padrões de segurança muitas vezes sendo ignorados na tentativa das empresas de obter mais lucro e atender a demanda crescente por carvão - fonte de cerca de 70% da energia chinesa. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
China explosao mina Xinxing

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.