National Antiterrorism Committee via AP
National Antiterrorism Committee via AP

Explosão em supermercado de São Petersburgo foi ‘ato terrorista’, diz Putin

Presidente russo afirmou ainda que os agentes de segurança cujas vidas forem ameaçadas por suspeitos terroristas devem atirar para matar, se necessário; ataque provocado por bomba caseira deixou 13 feridos

O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2017 | 09h36

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que a explosão em um supermercado de São Petersburgo na quarta-feira foi um “ato terrorista”, e agentes de segurança cujas vidas forem ameaçadas por suspeitos terroristas devem atirar para matar, se necessário.

+ Opositor russo é impedido de disputar a presidência e anuncia boicote às eleições

O líder se pronunciou nesta quinta-feira, 28, durante cerimônia de premiação no Kremlin para russos que serviram na Síria. “Você sabe que ontem, em São Petersburgo, um ato terrorista foi conduzido”, disse Putin ao público, se referindo à explosão que deixou 13 clientes feridos em um supermercado.

+ Rússia quer espaço deixado pelos EUA no Oriente Médio

Investigadores abriram um inquérito sobre a explosão e disseram que ela foi causada por uma bomba caseira feita com pedaços de metal. A carga era equivalente a 200 gramas de TNT. Relatos da mídia russa disseram que o dispositivo estava escondido em um guarda-volumes onde os clientes deixam seus pertences.

O portal de notícias Fontanka.ru divulgou imagens das câmeras de segurança que mostram o suspeito de provocar a explosão. Nas imagens, o indivíduo aparece com uma mochila, visivelmente pesada, mas deixa o supermercado sem ela.

Reveja: Destruição de armas químicas na Rússia

Putin detalhou ainda que agentes de segurança não devem correr nenhum risco com suas próprias vidas se confrontados por suspeitos de serem terroristas. “Eu, ontem, ordenei que o diretor do FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia) agisse dentro do âmbito legal quando detivesse esses bandidos. Mas se há uma ameaça à vida e ao bem-estar de nossos funcionários, ajam decisivamente, não façam nenhum prisioneiro e liquidem os criminosos no local.” / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.