EFE/EPA/SRDJAN SUKI
EFE/EPA/SRDJAN SUKI

Extrema direita alemã cria time de futebol próprio no Parlamento

Time oficial dos deputados alemães se recusou a aceitar extremistas na equipe

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2018 | 15h21

A entrada do partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha (AfD) no Bundestag, o Parlamento da Alemanha, provocou uma inusitada divisão no time de futebol oficial dos deputados alemães, que se recusaram a aceitar os extremistas na equipe. Em resposta, os parlamentares extremistas criaram uma equipe dissidente, noticiou o diário espanhol El País

+ Impasse em formação de novo governo ameaça futuro de Merkel na Alemanha

A ruptura é mais um sinal da dificuldade de relacionamento entre as legendas tradicionais e o AfD, que entrou no Bundestag pela primeira vez após as eleições de setembro do ano passado. Muitos parlamentares se negaram a sentar ao lado de deputados da extrema direita no Parlamento. Agora, não os aceitam no time de futebol no qual membros da casa confraternizam após as sessões. 

O AfD tem 92 assentos no legislativo alemão e se tornará de fato uma legenda de oposição caso a União Democrata Cristã (CDU), de Angela Merkel, e o Partido Social-Democrata (SPD) formem uma coalizão de governo nas próximas semanas. 

Ao menos três deputados do AfD tentaram entrar no time do Parlamento e foram rechaçados. Um deles é Sebastian Münzenmaier, condenado a seis meses de prisão por participar de uma briga entre torcedores organizados em 2012. 

+ Jornal alemão diz que nova lei sobre discurso de ódio na internet sufoca liberdade de expressão

O time do Bundestag geralmente disputa partidas beneficentes. Para seu capitão, Marcus Weinberg, da CDU, a incorporação de parlamentares de extrema direita como Münzenmaier se chocaria com os valores de tolerância e justiça que a equipe promove. A equipe tem marcado um amistoso contra um time de refugiados que vive na Alemanha. 

“Não vamos deixar que partidos instrumentalizem o esporte. Por isso criamos o FC Alternativa Bundestag para permitir que todos os nossos deputados joguem”, reagiu o deputado ultradireitista Hansjorg Müller em sua página no Facebook. “Agora temos uma equipe verdadeiramente tolerante, a nossa, e outra que promove o ódio.”

+ Impedir entrada de imigrantes não é cristão, diz papa

A cisão na equipe de futebol do Bundestag coincide com a reação de alguns clubes alemães contra o ingresso de militantes do partido em suas torcidas. O Eintracht Frankfurt e o Hamburgo estudam a possibilidade de excluir torcedores que militem no AfD de seu quadro de sócios. “Enquanto eu estiver aqui não haverá nazistas no Eintracht Frankfurt”, disse o presidente do clube, Peter Fischer. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.