Faltou força para pacificar o Iraque, diz ex-administrador

Os EUA erraram ao não enviar tropas suficientes para o Iraque imediatamente após a queda de Saddam Hussein e "pagaram um preço alto" por isso, diz o ex-administrador da ocupação do país árabe, L. Paul Bremer. Segundo ele, ao chegar para assumir o comando do Iraque encontrou uma situação "horrenda" de saques e instabilidade. "Pagamos um preço alto por não para isso (os saques), porque ficou estabelecida uma atmosfera de anarquia", disse Bremer durante um discurso para um grupo de empresas de seguros. "Nunca tivemos homens suficientes em campo". Mas o ex-administrador se disse "otimista com o futuro do Iraque". Em declaração concedida mais tarde ao jornal The Washington Post, Bremer manifestou apoio pleno à política do governo Bush para o Iraque. "Acredito que atualmente temos um nível suficiente de tropas no Iraque", afirmou o ex-administrador, em e-mail enviado ao jornal, explicando que sua referência à força insuficiente diz respeito à situação no início da ocupação, "quando acreditei que precisávamos de mais tropas da coalizão ou mais forças de segurança iraquianas para deter os saques". Os comentários de Bremer chamam atenção porque são similares às críticas feitas pelo general Eric Shinseki em 2003, e que foram rebatidas pelo secretário de Defesa Donald Rumsfeld. O candidato do Partido Democrata à presidência, John Kerry, também fez ataques semelhantes à Casa Branca.

Agencia Estado,

05 Outubro 2004 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.