Faluja oferece conversações de paz se bombardeio parar

Uma delegação de moradores de Faluja, cidade iraquiana acusada de abrigar o líder terrorista Abu Musab al-Zaqawi, ofereceu a retomada das conversações de paz com o governo provisório se os Estados Unidos pararem de atacar a cidade e libertarem o chefe da equipe de negociadores. "Estamos prontos para retomar as conversas", disse Khaled Fakhri al-Jumeili. "Nós as havíamos suspendido porque sentimos que o governo iraquianos, especialmente o premier Ayad Allawi, vinha atendendo às exigências dos americanos". Ele disse que se os bombardeios aéreos e ataques terrestres cessarem, "estamos prontos a voltar para a mesa de negociação". O xeque Abdul Hamid Jadou, outro membro da delegação, acrescentou que o presidente do grupo, Khaled al-Jumeili, deveria ser libertado. Testemunhas dizem que Jumeili foi preso pelos americanos na sexta-feira. Negociações entre o governo provisório e lideranças religiosas de Faluja vêm se desenrolando há semanas, para restaurar a soberania de Bagdá na cidade, tomada por rebeldes. As conversações foram interrompidas na quinta-feira, em reação à exigência de Allawi para que Faluja entregue Zarqawi às autoridades.

Agencia Estado,

16 Outubro 2004 | 11h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.