Família supera mais rápido morte por eutanásia, diz estudo

Um estudo feito com amigos próximos e parentes de vítimas de câncer descobriu que a dor da perda é menos penosa quando a pessoa morre por eutanásia, e não diretamente pela doença. A pesquisa, realizada por um grupo de cinco doutores alemães do departamento de oncologia do Centro Médico da Universidade Utrecht, foi baseada em entrevistas com mais de 500 amigos e familiares de vítimas de câncer entre 1992 e 1999. As conclusões do estudo foram publicadas na edição mais recente do British Medical Journal. De acordo com a pesquisa, cujos autores afirmaram não se tratar de um "defesa da eutanásia", 80% daqueles que tiveram "morte por clemência" na Holanda eram pacientes terminais de câncer. As leis holandesas permitem a eutanásia sob condições restritas, incluindo o pedido do paciente e a confirmação de pelo menos dois médicos de que a doença é incurável e causa sofrimento insuportável. O estudo afirma que 3.200 casos de eutanásia são registrados todos os anos da Holanda, mas os médicos dizem que muitas mortes assistidas ocorrem sem extra-oficialmente. A pesquisa mostrou que em casos envolvendo a eutanásia, a superação da crise por parentes e amigos é facilitada pela possibilidade de se despedirem e do tempo para se prepararem para a morte, ao discutirem-na com o paciente.

Agencia Estado,

28 Julho 2003 | 18h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.