John Bompengo/AP
John Bompengo/AP

Forças da segurança do Congo matam ao menos 7 pessoas em protestos contra o governo

Protestos exigem a renúncia do presidente Joseph Kabila, que se recusa a deixar o cargo

Reuters

31 Dezembro 2017 | 16h48

KINSHASA - Forças da segurança da República Democrática do Congo mataram ao menos sete pessoas neste domingo, 31, durante protestos contra a recusa do presidente Joseph Kabila em deixar o cargo, de acordo com a política e grupos de direitos humanos. Três pessoas foram mortas em conflitos com as forças de segurança na capital, Kinshasa, disse o porta-voz da polícia, Pierrot Mwanamputu.

Ativistas católicos haviam convocado os protestos após a missa deste domingo, um ano após Kabila se comprometer a realizar uma eleição para escolher seu sucessor até o final de 2017 – uma eleição que agora foi adiada até dezembro de 2018.

O adiamento alimentou suspeitas de que Kabila tentará eliminar limites constitucionais de mandato que o proíbem de concorrer novamente. Isso por sua vez aumentou temores de que o país volte ao tipo de guerra civil que matou milhões na virada do século. Florence Marchal, porta-voz da missão de paz da ONU no Congo, disse que forças de segurança haviam matado a tiros pelo menos sete pessoas em Kinshasa. 

Observadores da ONU documentaram ao menos 123 prisões no país, acrescentou Marchal. A polícia proibiu manifestações e disse que todos os encontros que reúnam mais de cinco pessoas serão dispersados para garantir ordem pública. Em Kinshasa, a polícia e soldados realizaram buscas em veículos e checaram identidades de passageiros.  /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.